Começou a vigorar hoje (20) o embargo da Rússia à carne brasileira. O decreto do governo russo foi editado na última sexta-feira e vale para importações de animais vivos e produtos de origem animal do Brasil que não passaram por tratamento térmico. Segundo o secretário executivo do Ministério da Agricultura, José Amauri Dimarzio, com o início do embargo, a perda diária estimada dos exportadores brasileiros é de US$ 4 milhões.

O embargo foi determinado por causa de um foco de febre aftosa registrado no estado do Amazonas. A região não tem autorização para exportar carne, porque não faz parte da área livre de aftosa e é considerada de alto risco para casos da doença. De acordo com o Ministério da Agricultura, essas informações foram transmitidas aos países que importam carne do Brasil.

As vendas de carnes para a Rússia representam cerca de 18% do total exportado. De janeiro a agosto, o país exportou US$ 550 milhões para o mercado russo. Antes do embargo, a expectativa do setor (aves, suínos e bovinos) era obter em 2004 um crescimento de 7% no volume vendido, ou seja, 640 mil toneladas. Isso representaria US$ 800 milhões, um crescimento de 27,5% na comparação com o ano passado, quando as vendas alcançaram US$ 580 milhões.

Esta é a segunda vez que a Rússia suspende a importação da carne brasileira. Em junho, o governo russo proibiu a entrada do produto depois que foi descoberto um foco de aftosa no Pará, outro estado que não exporta. Na época, a justificativa dos russos foi de que confundiram Pará com Paraná. Os russos cancelaram a proibição, mas barraram a carne proveniente do Mato Grosso, por fazer divisa com o Pará. Uma missão do governo brasileiro partiu no último sábado para a Rússia para negociar o fim do embargo à carne brasileira.