Os órgãos do Congresso Nacional que investigam o suposto pagamento de mesada a parlamentares em troca de apoio ao governo darão continuidade à investigação das denúncias na próxima semana. A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Compra de Votos ouve terça-feira (9), a partir das 11h30, depoimentos do publicitário Marcos Valério e de seu sócio na agência de publicidade SMP&B, Cristiano Paz.

Marcos Valério é acusado de ser o operador do chamado "mensalão" a parlamentares. O deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) foi o primeior a depor na comissão.

Também na próxima semana, quatro integrantes da comissão dão continuidade à busca de documentos sobre as denúncias na CPMI dos Correios, no Supremo Tribunal Federal, na Polícia Federal e na Procuradoria-Geral da República. São eles os senadores Romeu Tuma (PFL-SP) e Eduardo Suplicy (PT-SP) e os deputados Zulaiê Cobra (PSDB-SP) e Paulo Pimenta (PT-RS), que foram designados para a tarefa pelo presidente da CPMI, senador Amir Lando (PMDB-RO).

Terça-feira, a CPI dos Bingos ouve o auditor da Caixa Econômica Federal José Luiz Amaral Quintaens, ex-gerente nacional de Loterias da instituição. Na quarta-feira (10), será ouvido Rogério Buratti, citado pela GTech como consultor do governo indicado pelo ex-assessor da Casa Civil Waldomiro Diniz. Para o mesmo dia, estão previstos depoimentos do ex-assessor de Planejamento e Controle da Delegacia Regional do Trabalho do Paraná Marcelo Coelho e de Walter Santos Neto, da MM Consultoria. Waldomiro Diniz será ouvido quinta-feira (11) pela CPI.

A Comissão de Sindicância da Câmara que investiga as denúncias de envolvimento de deputados no esquema do "mensalão" também continua com a tomada de depoimentos na próxima semana. Como os trabalhos da sindicância são mantidos sob sigilo, não foram anunciados os nomes das pessoas que serão ouvidas. Segundo o relator do processo, deputado Robson Tuma (PFL-SP), devem ser ouvidos até o fim dos trabalhos da comissão pelo menos mais 50 pessoas.

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, que analisa o processo de cassação do deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), havia marcado para quinta-feira o depoimento do líder do PMDB, deputado José Borba (PR). No entanto, o parlamentar pediu que o depoimento fosse adiado, porque a bancada do partido se reúne naquele dia para escolher novo líder. Como atual líder, Borba disse que não poderia se ausentar. Com isso, o depoimento foi transferido para o dia 16.

No dia 18, o Conselho de Ética ouve o depoimento de Emerson Palmieri, tesoureiro do PTB. O presidente do conselho, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), disse que vai tentar marcar novos depoimentos para a próxima semana.