A direção do Fundo Monetário Internacional (FMI) deve aprovar na próxima sexta-feira a primeira revisão do acordo preventivo de US$ 14,8 bilhões assinado no final do ano passado com o Brasil. 

A aprovação dará direito ao país sacar uma parcela de US$ 1,4 bilhão, mas o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, já antecipou que o governo brasileiro não pretende utilizar o dinheiro, a não ser que haja uma forte crise externa com reflexos no País.

Em fevereiro, quando estiveram no Brasil, os técnicos do Fundo prometeram recomendar a aprovação dos números da economia brasileira e os esforços do governo na sua política fiscal.

A decisão final, porém, é da direção que discutirá o assunto na próxima sexta-feira em Washington, Estados Unidos, conforme agenda divulgada no site da instituição (www.imf.org). (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)