Mergulhadores da Capitania dos Portos e do grupamento marítimo do Corpo de Bombeiros continuam a busca por oito pessoas que estavam no barco Costa Azul, que afundou na baia de Guanabara depois de bater em um navio cargueiro no final da noite passada.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, eles teriam ficado presos na embarcação que afundou. Os destroços do barco foram localizados na manhã de hoje a cerca de dois quilômetros da Praça Quinze.

A área onde aconteceu o acidente, próxima à praia do Gragoatá, em Niterói, está sendo vasculhada por mais de 30 mergulhadores e cinco embarcações, mas os bombeiros disseram que as buscas estão prejudicadas por causa do mau tempo, que deixa o mar agitado.

Outras quatro pessoas que também estavam no barco perceberam que haveria o choque e se jogaram no mar. Elas foram resgatadas por embarcações que estavam nas proximidades e contaram que os outros companheiros estavam descansando e não houve tempo para sair.

O barco que afundou levava mergulhadores e outros funcionários que trabalham para a empresa Tecsub e que faz serviços de manutenção no emissário da Barra da Tijuca. O grupo fica 21 dias seguidos no mar e, no momento do acidente, estava indo a Jurujuba, em Niterói, abastecer o barco. O navio cargueiro frigorífico de bandeira das Bahamas está ancorado próximo à ponte Rio-Niterói.

A Marinha divulgou nota no início desta manhã informando que o Navio Mercante Roko, com bandeira das Bahamas, vinha de Itajaí (SC). Segundo a nota, o choque com o barco pesqueiro Costa Azul ocorreu por volta das 23h25 de ontem (17), na linha de navegação das barcas Rio-Niterói, mas o tráfego não foi prejudicado. A Marinha também informou que vai abrir inquérito administrativo para apurar as causas do acidente.