Raquel de Aguiar e Dirléia de Lima Nascimento
andam no acostamento da rodovia.

Inaugurado há dois meses, o Contorno Leste gera reclamações entre os moradores de Quatro Barras. A obra fechou o tráfego na Avenida São Sabastião e na Avenida Prefeito Domingos Mocelin Neto, que faziam a ligação da cidade com o distrito de Borda do Campo. “O traçado simplesmente isolou Borda do Campo”, explica o prefeito de Quatro Barras, Roberto Adamoski (PMDB).

Para os moradores que moram perto do contorno, o trajeto antes comum entre uma ponta e outra tornou-se um problema e um perigo. A rodovia não apresenta vias de acesso adequadas para os pedestres, que fazem o percurso todos os dias. O contorno mudou também o itinerário do ônibus, obrigando alguns moradores a descerem longe de casa. “Acabaram com a rua e a única passarela fica bem longe”, diz a dona-de-casa Joceli Aparecida Souza, que atravessa a rodovia para fazer compras. Andando no acostamento, bem próximas aos carros, Raquel de Aguiar e Dirléia de Lima Nascimento dizem que a travessia pelo túnel, junto aos veículos, não é segura, mas é mais rápida. “Teve gente que já foi assaltada por lá”, explica Raquel, que mora em Borda do Campo e diariamente tem de se deslocar até a sede do município. “Está tudo lá: farmácia, igreja, mercado. O mais complicado é levar as crianças à aula.”

Resposta

O Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Denit) informou que a execução de adequação e artes especiais estava prevista no contrato inicial de construção do contorno. No entanto, o governo Lula cancelou todos os contratos da gestão anterior, interrompendo a construção da passagem para pedestres no Contorno Leste até segunda ordem.