O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central inicia hoje (13) à tarde a reunião mensal de dois dias para avaliar a condução das diretrizes de política monetária e estudar possível redução da taxa básica de juros, que serve de parâmetro para os financiamentos diários com lastro em títulos federais, apurados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Por isso, também é chamada de taxa Selic.

Na primeira fase da reunião, o presidente e diretores do Banco Central, que compõem o colegiado do Copom, assistem a exposições técnicas dos chefes de departamento e do gerente-executivo de Relacionamento com Investidores. Eles apresentam análises da conjuntura interna; em especial quanto ao controle inflacionário, finanças públicas, balanço de pagamentos, reservas, mercado de câmbio e agregados monetários.

Hoje será uma avaliação prospectiva das tendências da inflação e análise das expectativas sobre variáveis macroeconômicas. Decisão sobre a taxa básica de juros só será anunciada no final da tarde de amanhã, depois da segunda fase da reunião. Etapa da qual participam apenas a diretoria do BC, com direito a voto, e o chefe do Departamento de Estudos e Pesquisas (Depep), sem voto.

A expectativa dos analistas de mercado é de redução da taxa de juros, que está em 19,75% ao ano desde maio último. De acordo com o Boletim Focus, divulgado ontem pelo BC, quase todos os analistas apostam que a taxa de juros cairá para 19,50%, embora o coordenador de Política Econômica da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Flávio Castelo Branco, assegure que "o corte pode ser mais profundo, uma vez que a inflação está sob controle".