Brasília – Os funcionários dos Correios deverão iniciar no final de semana a reposição do trabalho interrompido pela greve, segundo um dos representantes do comando de greve, Marcos Santaguida, presidente do sindicato dos trabalhadores da empresa no Rio de Janeiro. "Vamos compensar os dias parados, como ficou combinado com a empresa", disse.

A assessoria de Imprensa da estatal informa que serão mantidas algumas das contratações temporárias feitas no período da greve, para auxiliar na reposição do serviço. Quase 7 milhões de encomendas ainda não foram entregues.

O diretor de Recursos Humanos dos Correios, Virgilio Brilhante, calcula que o acordo feito com os trabalhadores da empresa para o fim da greve no órgão custará R$ 400 milhões por ano aos cofres da estatal. "Cerca de 60% dos rendimentos da empresa são utilizados para o pagamento de mais de 108 mil funcionários", informou.

Os trabalhadores e a diretoria da empresa concordaram com a proposta de um reajuste de 8,5% retroativo a 1º de agosto e mais um aumento de 3,61% em fevereiro de 2006, além de um abono linear de R$ 800. A greve começou no dia 14 e as agências vão retomar o atendimento amanhã (23).