O deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ), integrante da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Correios, denunciou, nesta segunda-feira, o sumiço, dos arquivos da CPMI, de dez notas de prestação de serviço da DNA Propaganda, empresa que tem entre seus sócios o empresário Marcos Valério.

De acordo com Paes, essas notas registram pagamentos de quase R$ 700 mil, feitos pelas empresas de telefonia Telemig Celular e Amazônia Celular para a DNA. Elas foram apreendidas no início de julho pela Polícia Civil e o Ministério Público de Minas Gerais em uma operação na cidade de Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte.

"Na semana passada, recebemos o livro caixa das empresas de telefonia e percebemos que os pagamentos registrados nas notas da DNA não constam na contabilidade das empresas. O sumiço das notas neste momento reforça a suspeita de que elas eram frias", avalia Eduardo Paes, que já pediu ao Ministério Público de Minas Gerais que envie as notas novamente.

Como eram cópias, não chegaram a ser guardadas no cofre da CPMI. As originais estão nos arquivos do MP mineiro.