Integrantes da CPI dos Correios fizeram coro nesta quinta-feira às reclamações contra decisões do Supremo Tribunal Federal (STF). Isso porque o ministro Marco Aurélio concedeu liminar em favor da corretora Euro, decisão que impede que os integrantes da comissão investiguem dados sigilosos referentes às operações da empresa com recursos dos fundos de pensão. O presidente da CPI dos Correios, Delcídio Amaral (PT-MS), esteve hoje no STF e afirmou que a Euro é um das mais importantes peças de investigação da CPI. Os integrantes da comissão desconfiam que recursos das entidades de previdência tenham sido usados para abastecer partidos políticos. O sub-relator de fundos de pensão da comissão, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (PFL-BA), disse que há indícios de que a corretora fez operações suspeitas com recursos dos fundos. A liminar de Marco Aurélio é a terceira em favor de entidades que tiveram os sigilos quebrados pela comissão parlamentar.