O PT decidiu não entrar na Justiça contra o fim do prazo de 90 dias – a chamada ?noventena? – para que a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) entre em vigor. O motivo da boa vontade é o desempenho do pré-candidato do partido à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, nas pesquisas de intenção de voto. O PT reavaliou sua disposição de deixar o atual governo três meses sem a arrecadação da CPMF. Com essa atitude, os petistas esperam acalmar o mercado financeiro que, na semana passada, passou por uma crise diante da consolidação de Lula em primeiro lugar nas pesquisas.

?A tendência é que o PT não entre na Justiça contra a CPMF, mas só vamos definir isso ao longo desta semana?, afirmou hoje o líder do PT na Câmara, deputado João Paulo Cunha (SP). A cúpula do PT reúne-se esta semana para formalizar a decisão de não contestar a retirada da ?noventena? do texto da contribuição. Esta é a terceira vez que a CPMF é prorrogada, mas é a primeira que o PT vota a favor da contribuição.

Nas duas vezes anteriores, o partido foi contra o tributo e chegou até a punir com suspensão de 30 dias do partido o deputado Eduardo Jorge (PT-SP), hoje secretário de Saúde da prefeita Marta Suplicy, único petista a votar favoravelmente à CPMF.