A CPMI das Sanguessugas aprovou hoje, em reunião encerrada há pouco, requerimentos de quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico nos últimos cincos anos das empresas Planam e Santa Maria Comércio, que venderam ambulâncias a prefeituras; da ex-funcionária do Ministério da Saúde Maria da Penha Lino; de Darci José Vedoin, presidente da Planam; de Alessandra Trevisan Vedoin, filha de Darci; e de Cléia Maria Trevisan Vedoin, mulher de Darci.

Foram aprovados ainda requerimentos que pedem as cópias dos documentos das investigações relativas à "máfia das ambulâncias" conduzidas pela Controladoria-Geral da União (CGU), pelo Tribunal de Contas da União (TCU), pela Procuradoria-Geral da República, pela Superintendência da Polícia Federal (PF) em Brasília, pela Superintendência da PF em Mato Grosso e pela Procuradoria da República em Mato Grosso, além das cópias dos documentos relativos às licitações fraudadas do Ministério da Saúde.

Também foi aprovada a convocação de Maria da Penha Lino, Darci José Vedoin, Luiz Antônio Trevisan (filho de Darci) e Luiz Aires Cirineu (advogado da Planam). Foram convidados ainda a comparecer à CPMI o procurador-regional da República em Mato Grosso Mário Lúcio Avelar e o delegado da PF Tardelli Boaventura, responsáveis pela investigação sobre o esquema.

Os deputados aprovaram também a requisição, à Câmara, de todos os documentos em poder da comissão de sindicância da Corregedoria-Geral que apura o caso.