O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um rápida avaliação da situação mundial de hoje no discurso de posse do segundo mandato, em cerimônia no Congresso. Disse que o mundo está melhor em certos aspectos, mas há mais conflito entre os países, sem que os organismos internacionais, como as Nações Unidas, tenham atuado a contento. O presidente observou que o período recente foi livre de crises econômicas e reconheceu que o crescimento global favoreceu os países emergentes.

"Foram quatro anos sem graves crises econômicas, mas com graves conflitos políticos e militares internacionais", observou. "Ao mesmo tempo em que o crescimento da economia mundial permitiu um certo desafogo aos países emergentes, a relação entre nações ricas e pobres não melhorou. A solução dos grandes problemas mundiais, como as persistentes desigualdades econômicas e financeiras entre as nações; o protecionismo comercial dos grandes; a fome e a inclusão dos deserdados; a preservação do meio ambiente; o desarmamento; e o combate adequado ao terrorismo e à criminalidade internacional; (isso tudo) não evoluiu.

Lula fez críticas também à Organização das Nações Unidas (ONU). "Os organismos internacionais – especialmente a ONU – não se atualizaram em relação aos novos tempos que vive a humanidade", afirmou.