O presidente da Associação Brasileira das Empresas de Transporte Aéreo Regional (Abetar), Lack Chryssafidis, disse hoje que, apesar de ainda não dispor de números exatos, a recente crise nos aeroportos por causa dos atrasos e cancelamentos de vôos está afetando os resultados das empresas. "É líquido e certo que essa situação está nos afetando porque todos, as empresas e os usuários principalmente, são vítimas", comentou o executivo. Ele classificou de uma "coincidência infeliz" o fato de a véspera da abertura do Congresso da Abetar em Brasília ter sido o dia mais complicado de realização dos vôos dos últimos dias.

Apesar disso, ele espera que até amanhã, quando se encerrará o encontro, os participantes possam discutir soluções que permitam uma participação mais competitiva das empresas aéreas regionais no mercado doméstico. "Achamos que hoje não temos uma concorrência muito saudável com as grandes empresas", disse Lack Chryssafidis. Segundo ele, existem hoje no País 13 empresas regionais que realizam várias operações ligando cidades de médio e pequeno porte aos grandes centros urbanos, mas que muitas vezes são prejudicadas pela presença ostensiva das maiores companhias aéreas nesse mercado.

Mesmo assim, o presidente da Abetar informou que no ano passado houve um crescimento de 41% das operações das companhias regionais que se refletiu positivamente no faturamento dessas empresas. Esse bom desempenho, segundo ele, se deve principalmente ao crescimento médio de 15% de passageiros por ano e ao barateamento dos preços dos bilhetes aéreos. Programado para dois dias em Brasília, o Congresso da Abetar espera reunir pelo menos 200 participantes. Na abertura, nesta manhã, entretanto, foi bastante reduzido o número de presentes como resultado de atrasos e cancelamentos de vôos desde ontem à tarde.