O candidato à Presidência da República pelo PDT, senador Cristovam Buarque (DF), disse hoje que vai procurar pessoalmente o ex-presidente Itamar Franco (sem partido) e convidá-lo a ingressar no PDT. "Nós do PDT estamos fazendo este convite a ele (Itamar), mas ainda não foi possível formalizar a proposta pessoalmente por uma questão de agenda", comentou. De acordo com o senador, o apoio do ex-presidente é fundamental por seu legado de credibilidade e respeito.

"Hoje se fala muito em reeleição. Há muitos defendendo mandato de oito anos. Em dois anos e meio, o Itamar controlou a inflação e conseguiu manter o processo democrático", elogiou. Ao lado da ex-secretária da Presidência Ruth Hargreaves, a única pessoa que participou das sete campanhas eleitorais que o ex-presidente já disputou, Cristovam lembrou ainda que, caso o ex-governador do PDT Leonel Brizola estivesse vivo, "já teria ido ao Itamar com a ficha de filiação".

Em campanha na cidade mineira de Juiz de Fora, o senador disse que continua sendo "lulista" se for levado em conta o que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva representava em 2002. "O Lula de 2006 é diferente. O povo não tem mais esperança", afirmou. O presidenciável também anunciou que pretende mudar o programa Bolsa Família, retomando o antigo modelo do Bolsa Escola. "A liberação de recursos deve acontecer mediante acompanhamento da freqüência escolar", explicou.

O candidato do PDT elogiou o Programa Universidade para Todos (ProUni), mas ressaltou que há necessidade de alguns ajustes. Na sua avaliação, qualquer proposta para a educação deve ser uma bandeira de todos. "É impossível pensar educação apenas em quatro anos. São necessários 20 anos para as coisas começarem a mudar", argumentou. Cristovam fez uma analogia com a questão do petróleo e aproveitou para alfinetar o governo federal. "A autonomia do petróleo, por exemplo, está sendo buscada há 50 anos. Não começou agora, neste governo.

O presidenciável pedetista revelou ainda que escolheu Minas Gerais -mais precisamente, Ouro Preto – para começar sua campanha pelo significado histórico. "Foi em Ouro Preto que se começou a escrever a independência do Brasil. Como somos ainda dependentes, me coloco como um inconfidente do século 21. Conspiramos pela educação", comparou.

O senador participou pela manhã, em Juiz de Fora, do lançamento da campanha ao Senado do empresário Omar Peres. Depois, fez caminhada pela Rua Halfeld, tradicional ponto de discussão política da cidade. No início da noite, deve participar de encontro com prefeitos da Zona da Mata mineira na cidade de Leopoldina.