O Ipardes divulgou, nesta segunda-feira, a primeira prévia do Índice de Preços ao Consumidor (IPC), válida para famílias que recebem de um a 40 salários mínimos, em Curitiba. De acordo com o levantamento feito nos últimos 30 dias terminados em 8 de agosto, o índice registrado na referida quadrissemana foi de 0,94%.

De acordo com o economista Gino Schlesinger, técnico do projeto IPC, essa foi a maior alta dos últimos três meses, sendo que a última grande alta foi registrada na primeira semana de maio, quando a prévia indicava um índice de 1,10%. Além disso, continua o economista, o índice da primeira semana de agosto foi 0,20 ponto percentual maior que o do mês fechado de julho, que havia sido de 0,74%.

Segundo a análise do economista, mais uma vez o grupo Transporte e Comunicação foi o que mais pressionou o índice, devido a elevação de 2,59% nos preços de seus produtos e serviços. Gino explica ainda, que se o grupo tivesse se mantido estável, a primeira quadrissemana de agosto teria fechado em 0,31%.

?O que segurou a inflação, impedindo que a alta fosse ainda maior, foi o comportamento de Alimentos e Bebidas e do grupo Vestuário que tiveram quedas de 0,29% e 0,42%, respectivamente?, explica.

Individualmente, os itens que mais contribuíram para o índice geral, foram: remédios (4,98%); gasolina (6,15%); passagem de avião (31,50%); álcool combustível (10,77%); automóvel de passeio importado zero (13,95%) e automóvel de passeio e utilitário usado (1,70%).