A lua vai aliviar um pouco o tédio do isolamento social para prevenir o novo coronavírus. Na noite desta terça-feira (7), o satélite natural da Terra vai iluminar o céu de uma forma toda especial. É a Lua Rosa, a lua cheia do mês de abril, que nesta terça está mais perto do planeta e por isso é chamada de superlua. O fenômeno acontece quando o satélite chega mais perto do nosso planeta e vai aparecer no céu até 14% maior e quase 30% mais brilhante. É a maior aparição do satélite natural este ano.

“A superlua é um fenômeno bem comum que acontece de duas a três vezes por ano e varia de acordo com a posição da Lua em sua órbita”, explica o diretor do Parque da Ciência Newton Freire Maia, em Curitiba, Anisio Lasievicz.

LEIA TAMBÉM Curitiba com céu nublado e mais fria nesta terça-feira. Veja a previsão

Ela já apareceu linda e resplandescente esse ano nos meses de fevereiro e março, foi chamada de Lua da Neve e Lua das Minhocas. Em abril, a superlua é batizada de Lua Rosa, nome dado em homenagem a floração de flores, mais especificamente das pequenas rosas esmeraldas (de nome científico Phlox subulata) que se espalham rasteiramente pelos campos da América do Norte depois do frio do inverno. Ela também pode ser chamada de Lua da Grama e Lua dos Ovos, todos símbolos que remetem ao início da primavera no hemistério norte.

Com todos seus nomes especiais, a superlua hipnotiza pela sua grandeza no céu. E isso acontece porque o satélite natural segue uma órbita elíptica. “A lua fica a cerca de 385 mil km da Terra, mas hoje ela fica mais próxima, a 357 mil km”, explica o diretor do Parque da Ciência. Parece pouco, mas essa “pequena diferença” de 20 mil km equivale a quase duas vezes o diâmetro do nosso planeta.

Superlua, mas céu encoberto

A superlua pode ser vista em todo o planeta nesta terça, podendo ser observada a olho nu, sem a necessidade de algum equipamento especial. Porém, quem mora em Curitiba e região pode ter dificuldades de visualizar a lua nesta noite. Segundo a previsão do Simepar, a noite pode ter céu aberto por volta das 19 horas, mas o tempo pode voltar a ficar nublado no restante da noite.

Confira a lista completa das luas cheias do ano:

Lua do Lobo (janeiro) – ganhou esse nome dos índios americanos por causa dos uivos dos lobos.

Lua da Neve (fevereiro) – o nome é por causa das nevascas nesta época do ano no hemisfério norte.

Lua das Minhocas (março) – é o início do fim do inverno no hemisfério norte, quando minhocas surgem no solo.

Lua do Ovo (Abril) – o nome está relacionado ao período da desova dos peixes no Hemisfério Norte.

Lua das Flores (maio) – o nome está relacionado à primavera no hemisfério norte, a estação das flores.

Lua do Morango (junho) – neste período é a colheita de morangos nos Estados Unidos.

Lua do Feno (julho) – neste período é a colheita do feno que alimenta os animais no hemisfério norte.

Lua do Peixe (agosto) – neste período começa a pesca do esturjão nos lagos dos Estados Unidos.

Lua da Fruta (setembro) – neste período começa a colheita das frutas no hemisfério norte.

Lua do Caçador (outubro) – nesta época do ano caçadores iam pras florestas garantir carnes para o inverno.

Lua do Castor (novembro) – os castores começam a concluir suas tocas nos rios para sobreviverem ao inverno.

Lua Fria (dezembro) – marca a chegada de fato do frio no inverno, com noites mais longas.