Sinônimo de progresso para o bairro Santa Cândida, em Curitiba, até a década de 1990, o complexo que abrigava a administração do Banco do Estado do Paraná (Banestado), privatizado em 2000, virou motivo de preocupação e medo para os moradores da região. Com salas sem uso, sem manutenção e com pouca segurança, o espaço de cerca de 190 mil metros quadrados caminha para ser mais um mocó. A situação de decadência teve início há cerca de dois anos, mas foi nos últimos dois meses que os vizinhos entraram em alerta total, passando a presenciar pessoas pulando o muro da propriedade quase todos os dias.

“Em vários períodos, a portaria do complexo fica vazia. O mato está alto e, de pouco em pouco, os órgãos que ocupam o prédio estão se mudando dali. A gente nunca sabe o que pode acontecer lá dentro”, conta o empresário Eduardo Possebom, que mora há nove anos em um condomínio na frente do complexo do qual é síndico.

+Leia também: Ameaçados com faca, passageiros vivem momentos de terror em arrastão em Curitiba

Há cerca de duas semanas, Possebom encontrou imagens de um homem saindo com um saco de fios roubados do complexo, gravadas pela câmera de segurança do condomínio. O furto acabou interrompendo as atividades na sede da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), órgão do governo do estado que ainda ocupa o prédio e ficou sem luz.

De propriedade do Grupo Itaú, que adquiriu o Banestado em 2000, o complexo na rua Máximo João Kopp está sob administração do governo do Paraná por um termo de comodato desde a dissolução do banco estadual. Outros órgãos também já funcionaram no local, como o Centro Judiciário do Paraná, do Tribunal de Justiça – hoje instalado no antigo Presídio do Ahú – e o Museu da Imagem do Som do Paraná enquanto a sede do Centro passava por reformas.

Hoje, além da Comec, apenas outros dois órgãos estaduais estão no prédio: o almoxarifado da Secretaria da Família e Desenvolvimento Social (Seds) e o arquivo da Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos (Seju). Mas não por muito tempo. O governo do Paraná afirma que as três pastas estão de saída do Santa Cândida – o que aumenta ainda mais a preocupação dos moradores quanto ao abandono do complexo.

+Leia também: Dois terminais serão reconstruídos por R$ 38 milhões. Veja os projetos!

Apesar da presença da Comec, vidros quebrados, lixo e pias jogadas nos gramados, guaritas vazias e latas que indicam uso de drogas são parte do cenário. “O nosso maior medo é o complexo virar uma cracolândia, uma moradia de pessoas sem teto. Até porque são vários barracões. É muito grande”, acrescenta o síndico.

Outro morador da região, o administrador Rodrigo Castro explica que teme que a situação se agrave. “Já há trechos em que pedestres não conseguem passar por causa do tamanho do mato. Imagina se alguém se esconde ali e aborda qualquer um de nós quando estivermos entrado em casa”, afirma.

Imagem aérea dá a dimensão do tamanho total do terreno. Foto: Reprodução/GoogleMaps
Imagem aérea dá a dimensão do tamanho total do terreno. Foto: Reprodução/GoogleMaps

Denúncias e responsabilidade

De acordo com Possebom, vizinhos já denunciaram o caso à prefeitura de Curitiba por meio da Central 156. Ele próprio chegou a ir ao núcleo regional de administração da cidade, na Rua da Cidadania do Boa Vista, porém, não houve nenhuma ação da prefeitura. A administração municipal afirma que está de mãos atadas, já que o complexo está sob responsabilidade do governo.

Já Castro chegou até mesmo a ligar para a Polícia Militar, no 190: “Foi há cerca de um mês, quando presenciei um homem pulando o muro do complexo. Mas quando a polícia chegou, cerca de 40 minutos depois, já não tinha mais ninguém no terreno”, lembra.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Com a falta de solução, os próprios moradores da região tiveram que tomar iniciativas para impedir que a deterioração se estenda também para a rua, fazendo com que mato alto tome conta calçada, por exemplo.

O Banco Itaú não se pronunciou sobre o destino do complexo. Também não confirmou se o imóvel teria sido vendido. No entanto, reforçou que a responsabilidade de gestão é do estado pelo acordo de comodato. Em nota, o Itaú acrescentou que “uma vez que [o complexo] retorne para administração do banco, será realizada uma avaliação das necessidades para preservação e segurança do local”.

Em um segundo contato com a Secretaria da Administração e da Previdência do governo do Paraná, pasta responsável pelo edifício, a reportagem solicitou informações sobre o motivo do abandono e os planos para o complexo. Mas até a publicação desta reportagem não obteve resposta.

Complexo do antigo Banestado, no Santa Cândida, em Curitiba, está abandonado e pode virar mocó.
Apesar de o terreno abrigar a sede da Comec atualmente, existem muitas salas vazias ainda. Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

‘Encantador de pombas’ chama atenção no Centro de Curitiba