Quando a UPS foi instalada no Jardim Ludovica, boa parte dos loteamentos para realocação de famílias que viviam em áreas de risco, como Parolin, Jardim Terra Santa, Vila Torres e Uberaba não estava habitada. Segundo moradores e comerciantes da região, o aumento da população local também contribuiu para o crescimento da criminalidade.

Só em um dos loteamentos, do outro lado da rua da UPS, o Moradias Esperança, há, pelo menos 100 novas famílias. De acordo com os vizinhos, há vários outros espalhados pela região. Muitos reclamaram da falta de planejamento da realocação dessas pessoas e disseram que, não apenas o número de casas deveria ter sido aumentado, mas o de policiais também.

Uma funcionária da escola quase em frente à UPS desabafou, dizendo que é um absurdo o que está acontecendo na região. “Trabalho no colégio há anos e nós nunca tivemos problemas com violência. Nos últimos meses, vários casos de furtos ocorreram aqui. Isso sem falar no vandalismo. Quase todos os dias nos deparamos com cenas horríveis, como fezes humanas espalhadas nas paredes e nos vidros”.

Mudança

A funcionária e outros comerciantes reconheceram que há muitas famílias de bem que se mudaram para as moradias populares, mas que a quantidade de gente desonesta também é muito grande. “Conheço pessoas trabalhadoras, que moram aqui há anos, mas, por não aguentar a falta de segurança, colocaram suas casas à venda”, comentou.