Os materiais apreendidos durante busca e apreensão na sede do Instituto Água e Terra (IAT), em Curitiba, relacionados a supostas irregularidades na obra de revitalização da orla de Matinhos, devem permanecer lacrados. A decisão, em caráter liminar, foi tomada pelo juiz Francisco Cardozo Oliveira na tarde desta sexta-feira (22), e proíbe a análise de documentos e computadores até que seja julgado o mérito do habeas corpus impetrado pela defesa do diretor, Everton Souza, e de dois servidores do IAT. Eles foram denunciados pelo Ministério Público por suposta associação criminosa no âmbito da Operação Haiti.

Na avaliação do magistrado, ao se requerer uma ordem de busca e apreensão é preciso que se demonstre “ao menos indícios concretos da autoria e da materialidade com lastro fático suficiente para legitimar tão invasiva medida estatal. A decisão que defere a busca e apreensão domiciliar somente é legítima quando respaldada nas provas colhidas nos autos e demonstrada a insuficiência de outras medidas menos restritivas aos direitos e interesses em jogo”, detalhou.

+ Veja esta: Curitiba terá no domingo a primeira corrida de rua na pandemia

Para Oliveira, a decisão que motivou a busca e apreensão dos documentos e computadores foi “sucinta” e limitou-se a “explicar o fundamento legal e transcrever trechos do pedido do Ministério Público”. Ele segue: “a decisão não demonstrou a necessidade e indispensabilidade da medida e a inexistência de eventuais meios menos gravosos para os fins almejados pela investigação”.

À RPC, a defesa dos investigados disse que o Tribunal de Justiça reconheceu o constrangimento ilegal da decisão que autorizou a busca e apreensão, e que confia na justiça.

Relembre o caso

O projeto de revitalização da orla de Matinhos, no Litoral do Paraná, é alvo de investigação do Ministério Público do Paraná (MP-PR). No último dia 15 de setembro, policiais do Gaeco cumpriram mandados de busca e apreensão na sede do IAT. O órgão ambiental do governo do estado é responsável pelo projeto e execução da obra.

Em agosto, o Ministério Público já havia aberto uma ação civil pública questionando o fato de o IAT ter aberto a licitação ainda sem documentos suficientes, principalmente relacionados a impactos ambientais da revitalização.

Leia mais

>> “Ele tá quebrando minha mão”, grita mulher agredida pela PM durante abordagem em Curitiba

>> Festival de Gastronomia e Turismo começa neste fim de semana em Quatro Barras

Após a busca e apreensão, o MP ofereceu denúncia contra o diretor-presidente do IAT, Everton Souza. Outros dois funcionários também foram incluídos na denúncia por suposta associação criminosa no projeto de revitalização da orla de Matinhos, no litoral do estado. Para a promotoria, os três teriam cometido crimes ambientais entre agosto de 2019 e agosto de 2021 ao atuarem pressionando técnicos para que estes liberassem as licenças ambientais da obra. Segundo a denúncia, notas técnicas e estudos que apontavam os impactos ambientais da revitalização da orla foram ignorados, e o processo de concessão das licenças foi acelerado sem a devida atenção.

Web Stories

Novidades!

Veja o que chega na Netflix nesta semana

Conhece?

Bosques de Curitiba são ótimas opções de passeios

Tragédia

Conheça 5 acidentes que aconteceram dentro de um set de filmagens

6 boas dicas!

Quer emagrecer de graça em Curitiba? É possível!