As áreas de escape, recursos de emergência em rodovias destinados a veículos pesados sem freio, já evitaram 321 acidentes nas BRs 277 e 376, nos trechos que ligam Curitiba ao litoral do Paraná e de Santa Catarina. A primeira estrutura no Paraná foi construída em 2011 na BR-376.

O caso mais recente ocorreu terça-feira (25), por volta das 17 horas na BR-376. Um caminhão que descia a serra com 11 toneladas de carga adentrou 47 metros na estrutura no km 667 em Guaratuba, após o motorista perceber falha nos freios.

As áreas de escape são construídas nas margens de rodovias, geralmente em trechos de descida de serra para desacelerar veículos desgovernados. A estrutura é planejada com faixa de acesso direcionada para uma caixa de profundidade de até 1,1 metro preenchida com argila expandida.

LEIA MAIS – Trânsito de Curitiba ainda é menor que antes da pandemia, mas cresce com flexibilização

Na BR-277, entre Curitiba e o litoral paranaense, a Ecovia inaugurou uma estrutura do tipo em dezembro de 2018 no km 36,8, sentido Paranaguá. Desde então, 31 veículos já utilizaram o recurso – foram17 em 2019 e 14 neste ano, até agora. No último dia 20 de julho, por exemplo, um caminhão carregado com 14 toneladas de açúcar precisou entrar na área depois de perder os freios na altura do km 38.

Na BR-376, a primeira estrutura foi inaugurada em agosto de 2011 no km 671,7. De lá para cá, a área já foi utilizada 250 vezes – cerca de 28 por ano. Segundo a concessionária Arteris Litoral Sul, que administra o trecho, 332 vidas já foram salvas com o dispositivo.

“Em novembro de 2019 a concessionária inaugurou a segunda área de escape da rodovia, a que foi utilizada por um caminhão na terça-feira. Poucos dias após a inauguração, um ônibus com 35 pessoas ficou sem freios e precisou adentrar a área, permitindo que ninguém se ferisse. Ao todo, a estrutura já teve 40 entradas de veículos, o que evitou acidentes que envolveriam 101 pessoas, segundo a empresa.

Ainda de acordo com a concessionária, entre dezembro de 2019 e junho de 2020, houve uma redução de 71% nas fatalidades envolvendo veículos pesados na descida da serra, na comparação com o mesmo período do ano anterior.