O trabalho da artesã curitibana Joelma Cristina Magalhães, 38 anos, tem levado emoção para muitas famílias nesta época de incertezas surgida com a pandemia de coronavírus. O antigo ofício de transformar peças de roupas de bebês em bichinhos de pelúcia se transformou numa nova forma de homenagem e recordação de quem foi vítima da covid-19 durante a pandemia.

As pelúcias da Joelma, do Ateliê da Jojô, foram ficando populares nas redes sociais. Lembram do falecimento da professora Vivian Danielle Niebuhr, 43 anos, que trabalhava no Colégio Marista Paranaense, em Curitiba? O caso causou comoção nas redes sociais e a instituição chegou a decretar e suspender as atividades escolares em abril deste ano.

Pelúcia feita em homenagem a professora Vivan Niebuhr. Foto: arquivo pessoal.

LEIA TAMBÉM:

>> De saída? Márcia Huçulak desabafa sobre pandemia em Curitiba: “Queria estar muito longe daqui”

>> Morre William Shakespeare, 1º homem no mundo a ser vacinado contra a Covid-19

A massoterapeuta Bruna Galvão, 26 anos, filha da professora, pediu para a Jojô Arteira fazer uma ovelha de pelúcia com as roupas da mãe. “Minha mãe mesmo que havia me mostrado o trabalho dela. Ela amou a criatividade. Quando ela faleceu, lembrei que ela tinha me mostrado e fui na nossa conversa procurar a página e entrei em contato com a Jojô”, conta a Bruna Galvão.

A professora Vivian Niebuhr morreu por complicações da covid-19. “Minha mãe se foi muito de repente. Foi e está sendo muito difícil pra nós. Ela tinha só 43 anos, nenhuma comorbidade e, mesmo assim, a covid venceu. A pelúcia é uma forma muito carinhosa de eternizar alguém que amamos. Fiz a pelúcia com a roupa da minha mãe para guardar a lembrança para sempre comigo”, disse.

O trabalho da Jojô deixou muitas famílias felizes. As fotos das pelúcias dela podem ser visitadas nas redes sociais do ateliê. “Chamo de Pelúcias da Memória”, explica a artesã. E tem urso, cachorro, gato, flamingo, elefante, ovelha, cavalo, dinossauro, macaco, bicho preguiça, raposa e alguns outros. “A pessoa pode trazer a roupa que deseja e a pelúcia é criada a partir daquela peça”, conta a Jojô.

Da gráfica para as confecções

Tudo começou com a ideia da para um presente, em 2018. “Fiz um. Recebi muitos incentivos da minha família e amigos para continuar. Porque todos gostaram. Fui conciliando a confecção das pelúcias com meu trabalho em uma gráfica, onde fiquei por 12 anos até ser demitida durante a pandemia”, relembra. Ainda segundo ela, “a patroa” quis recontratá-la, mas a artesã resolveu acreditar no seu talento e se dedicar ao ateliê. “Já fiz vários cursos, mas pra fazer os ursinhos não. Comecei a fazer vendo vídeos no YouTube”, revela.

Desde então, os pedidos só cresceram e o trabalho repercutiu. “Teve um aumento de pedidos das Pelúcias da Memória para entes queridos, com a pandemia. As clientes se emocionam e me emocionam com a reação delas. Eu recebo diversas mensagens e áudios de muito carinho e gratidão pelo meu trabalho. Isso é recompensador”, finaliza a artesão curitibana.

A Jojô tem alguns valores definidos para as pelúcias. Em média, os ursinhos são R$ 99,80 e as outras pelúcias R$ 125. Com as asas de anjo o preço aumenta em R$ 10 para cada modelo. O Ateliê da Jojô Arteira está aceitando encomendas.

Serviço

Ateliê da Jojô Arteira: (41) 98851-1555.