Vencido pela dependência química, José Carlos Rodrigues Proença de Souza, o “Zezinho”, 38 anos, provavelmente se preparava para consumir drogas quando foi assassinado com um tiro na cabeça.

O crime aconteceu por volta das 23h do último domingo, na Rua Arno Feliciano de Castilho, próximo à Rua Heitor Baggio Vidal, às margens do Rio Atuba, no Bairro Alto, em Curitiba.

Familiares contaram aos investigadores da Delegacia de Homicídios que José Carlos era viciado em crack há aproximadamente oito anos. Pai de quatro filhos, ele saiu de casa e avisou a mulher que iria comprar cigarro. Minutos depois, ela escutou os tiros e foi informada da morte do marido. José Carlos segurava um isqueiro quando foi executado.

Ninguém soube dizer quem cometeu o crime, mas a polícia apurou que José Carlos recentemente se desentendeu com um traficante da região e esse pode ter sido o motivo de sua morte. A polícia já tem o nome de um suspeito, mas prefere não divulgar para não atrapalhar as investigações.

Rua

José Carlos foi a terceira pessoa assassinada na Rua Arno Feliciano de Castilho, nos últimos meses. No dia 25 de agosto, um homem de aproximadamente 35 anos foi encontrado morto ao lado do Rio Atuba, com indícios de esganadura e afogamento. As informações são de que ele seria andarilho da região, mas seu corpo continua sem identificação no Instituto Médico-Legal (IML).

Na manhã de 19 de julho, o corpo de Ricardo de Oliveira, o “Bola”, 22 anos, foi encontrado, também próximo ao rio. O jovem levou um tiro nas costas e, segundo comentários no local, ele teria participado de uma festa nas proximidades, durante a madrugada, onde foram escutados tiros.