Para tentar amenizar um pouco a rotina de pacientes e funcionários que ficam internados em hospitais, o Hospital Marcelino Champagnat e o Hospital Universitário Cajuru, em Curitiba, realizam diversas atividades, entre elas a promoção de atividades musicais e apresentação de palhaços. Ficar internado é algo que ninguém deseja, não importa o motivo. Só que muitas vezes isso é inevitável e, para muitos pacientes, é um período de sofrimento. Seja pelo que os levou ao hospital, seja pelo fato de estarem se sentindo sozinhos, ou até pelo ambiente em si. O fato é que até os profissionais de saúde precisam lidar com uma série de emoções que, especialmente neste último ano, têm estado mais afloradas do que de costume.

LEIA TAMBÉM:

>> Mãe e filha recém-nascida recebem ajuda da Guarda Municipal em bairro de Curitiba

>> Bar de Curitiba é flagrado com 50 pessoas escondidas no porão em fiscalização da Aifu

Sidnei Evangelista, psicólogo que faz parte da Pastoral desses hospitais, explica que desde 2016, pelo menos três vezes por semana, os corredores e quartos são invadidos pelo som da música ou da brincadeira de palhaços. O setor de humanização e voluntariado reúne trabalhadores dos hospitais e pessoas da comunidade que fazem questão de participar. “A gente aborda o paciente pra saber que tipo de música ele gosta. Aí trazemos essa música para estabelecer um vínculo e fazer com que ele se sinta mais acolhido”, diz Sidnei.

Caroline Santos de Oliveira, recepcionista, sabe bem o que é sentir a angústia de estar longe de quem ama. A cirurgia para retirada da vesícula teve complicações e ela precisou ficar mais tempo internada do que o previsto, longe do bebê, de apenas 3 meses. “Nas outras internações eu tive crise de ansiedade de saudade do meu filho. Dessa última vez, foi muito importante porque a música me ajudou muito”, conta ela.

Um pouco mais leve

Outro aspecto que aproxima pacientes de funcionários é a possibilidade de atendimentos mais descontraídos. Bruna Endy Gasparin é fisioterapeuta da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital Marcelino Champagnat, e ressalta a fragilidade de quem está internado. “A pessoa sai da atividade diária para um leito de UTI. Impacta muito na força muscular e parte circulatória”, destaca. O trabalho dela é ajudar essas pessoas com as caminhadas para, quando receberem alta, conseguirem realizar novamente as atividades rotineiras.

Só que pacientes que estão na UTI não têm acesso a meias ou sapatos, pois passam a maior parte do dia acamados. A Bruna utiliza um sapato de proteção para que eles façam os exercícios fora do leito e customiza, como se fossem chuteiras de jogadores famosos. Ela revela que a brincadeira boba faz toda a diferença naquele momento. “É pra deixar o ambiente mais leve. Tanto para nós como para eles que estão cansados de estar na UTI”, afirma e completa: “Quando a gente faz essas brincadeiras eles ficam com mais vontade de fazer a terapia”.

Sidnei reforça que essas atitudes simples, em muitos casos, não alteram o estado clínico a ponto de proporcionar a recuperação imediata de ninguém, mas o aspecto emocional é essencial para o sucesso do tratamento. “Fortalece a espiritualidade do paciente, não falando só de religiosidade. Eles aceitam melhor aquele sofrimento e buscam uma resposta melhor”, ensina o psicólogo. Esse resgate de autoestima e identidade é o que fortalece a saúde emocional, garantindo um período de menos sofrimento e mais humanidade a pacientes e trabalhadores da área da saúde.