A morte de Aristides Furman Sobrinho, de 35 anos, atropelado na Rodovia do Xisto, a BR-476, causou uma série de acidentes no mesmo trecho da via, na noite deste domingo (4). Ele foi atropelado por três carros e depois outros três veículos, entre eles a viatura do Instituto de Criminalística, se envolveram em outro acidente.

O atropelamento de Aristides aconteceu por volta das 22h no limite entre Curitiba e Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Aristides foi atropelado por um Fiat Stilo que seguia na pista sentido Araucária e que não teria conseguido frear a tempo.

O veículo acertou o homem em cheio. Logo atrás do Stilo vinham mais dois carros, que também não conseguiram frear. Os veículos passaram por cima do corpo do homem, que acabou morrendo no local.

O trecho do atropelamento foi isolado pela Policia Rodoviária Federal (PRF) até a chegada da perícia do Instituto de Criminalística. Quando a viatura chegou, outro acidente aconteceu. Um motorista apresentando sinais de embriaguez perdeu o controle do Sandero que dirigia e acertou em cheio a viatura da criminalística que estava no acostamento.

Depois de colidir, o homem parou o carro ao lado da pista e saiu atordoado. Ele caiu no mato ao lado do veículo. Enquanto era atendido pelos socorristas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), outro motorista também acabou perdendo o controle e acertou vários cones de sinalização, mas nenhum dos veículos.

O corpo de Aristides foi recolhido e encaminhado para o Instituto Médico-Legal (IML), em Curitiba. O motorista do Sandero foi socorrido e não foi informado o estado de saúde dele. Os outros motoristas e o pessoal do Instituto de Criminalística não se feriram. Conforme testemunhas, acidentes são constantes no trecho em que as colisões aconteceram.