Um baile funk acabou mais cedo na tarde de domingo (28), no bairro Ganchinho, em Curitiba. O motivo foi a presença da equipe da Ação Integrada de Fiscalização Urbana (Aifu), que terminou a festa por causa da aglomeração de mais de 100 pessoas que descumpriam a determinação municipal por estarem participando de eventos e por estarem usando máscara de proteção contra a covid-19.  Os organizadores do baile não estavam no local, mas foram identificados em seguida.

A presença policial aconteceu após uma denúncia. A festa era realizada em uma chácara quando a AIFU chegou. Carros e até um ônibus estavam estacionados reforçando que o movimento lá dento era intenso. Os participantes foram multados por aglomeração, bem como a falta da máscara de proteção, situações proibidas em Curitiba após a adoção da bandeira laranja de combate ao coronavírus. Os organizadores receberam 12 multas, num total de R$ 303 mil.

No sábado, três estabelecimentos de Curitiba e uma pessoa foram multados na noite deste sábado (27). O valor total do prejuízo aos responsáveis chegou em R$ 370 mil.

Uma tabacaria no bairro São Francisco recebeu um total de R$ 165 mil em multas –  R$ 50 mil por atividade de bar, R$ 50 mil por não promover controle de pessoas, R$ 50 mil por uso de narguilé, R$ 10 mil por descumprir a obrigação de disponibilizar álcool em gel e R$ 5 mil por desenvolver atividade fora do horário permitido. 

No CIC, outra tabacaria foi autuada em R$ 150 mil –  R$ 50 mil pela atividade de bar, R$ 50 mil por não promover controle de pessoas e R$ 50 mil pelo uso de narguilé. Uma pessoa foi multada em R$ 550 por não usar máscara. Por fim, uma pizzaria no Tingui foi multada em R$ 5 mil por desenvolver atividade de bar. Outros 14 lugares que foram denunciados pela população estavam fechados no momento da ação.

Com os R$ 140 mil de multas aplicados na sexta-feira (26), mais as de sábado, a Aifu totalizou em multa R$ 510.550 aplicados por descumprimento às leis vigentes. Desde o início da vigência da Lei 15.799/2021, em 5 de janeiro, foram vistoriados 469 estabelecimentos dos quais 179 tiveram as atividades paralisadas e 274 autos de infração foram lavrados somando R$ 3.565.090,00 em multas.

As medidas restritivas mais duras anunciadas na sexta-feira (26) pelo governador Ratinho Junior já estão valendo desde à zero hora deste sábado (27). Com o decreto, além de iniciar mais cedo o toque de recolher, que será agora das 20h às 5h, a cidade deverá manter fechadas academias, shoppings e todo o comércio de rua não-essencial, até o dia 8 de março. Somente supermercados, farmácias, padarias, postos de gasolina e afins podem continuar funcionando, desde que respeitem os horários do toque de recolher. Restaurantes podem abrir para atender no sistema delivery, drive-thru e take away (cliente pega o produto no estabelecimento).

A decisão foi tomada para tentar conter o avanço da epidemia de coronavírus no Paraná que, segundo o governador Carlos Massa Ratinho Junior, está “no pior momento desse um ano de enfrentamento”. Embora os prefeitos tenham autonomia para editar decisões locais, Curitiba segue também o plano do governo estadual. As escolas também devem ficar fechadas, com as aulas sendo realizadas de maneira on-line durante o período.