A edição 2016 do Festival de Teatro de Curitiba chega ao fim neste domingo (3), com cerca de 350 espetáculos apresentados em 65 espaços da capital. Com um público de 180 mil pessoas, 10% menor do que em 2015, o Festival trouxe novos olhares e novas locações neste ano em que comemora o seu 25º aniversário.

Apesar de manter a tradição de peças estreladas por celebridades, em 2016 o Festival adotou um olhar mais focado na diversidade artística brasileira e em novas linguagens. É o que buscaram os novos curadores Guilherme Weber e Márcio Abreu, estreantes no evento nessa função. Eles priorizaram espetáculos de formatos diversos, como dança, improvisações, música e performances.

Curitiba em evidência

Diretor do Festival, Leandro Knopfholz considera que a edição contou com uma aproximação maior com a cidade, com as companhias de teatro locais e com o público. A inclusão de não-atores no espetáculo Batucada, “intervenção poético-política”, teve inscrições abertas na primeira quinzena do mês, e é um exemplo da valorização da interação popular, segundo o diretor.

A produção curitibana foi representada pela G2 (companhia de dança do Teatro Guaíra), pelo Ave Lola Espaço de Criação, e pela bailarina e coreógrafa Michelle Moura. Além disso, a Mostra iliadahomero apresentou 24 paranaenses interpretando os 24 cantos da obra épica Ilíada em 24 horas. Outra valorização da cultura local foi a Curitiba Mostra, na qual artistas curitibanos interpretaram obras de autores locais.

Público

Apesar dos 20 mil espectadores a menos do que no ano passado, o diretor do evento não desanima: “considerando a conjuntura econômica pela qual o Brasil vem passando, acho que é uma redução pequena pelo que poderia ser”, avalia.