O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, criticou as pessoas que rejeitam a vacinação contra a covid-19 a depender do imunizante disponível no momento, mas disse que a saída é fazer um “trabalho de convencimento”, explicando à população o atraso que isso gera na campanha e como isso interfere negativamente nas taxas de contaminações e mortes.

“O que falar para essas pessoas? É tentar convencer. Muito mais do que multar ou mandar para o fim da fila, o ideal é dialogar, chamar atenção. Eu acho que a saída é convencer, falar e falar de novo. Vacinar é um ato de amor, de solidariedade. A vacinação está dando certo”, afirmou ele, ao ser questionado pela reportagem sobre o tema, na quarta-feira (7).

+ Leia mais: Curitiba se programa para vacinar 10 mil pessoas com segunda dose nesta sexta

“Estamos com queda da utilização de leitos por pessoas com mais de 60 anos. Uma queda sustentada. Isso mostra o valor da Coronavac, por exemplo, que foi a primeira utilizada na vacinação dos idosos. Qualquer vacina é importante”, argumentou ele.

Greca também critica

O prefeito Rafael Greca também criticou quem os chamados “sommeliers de vacina”. “Eu espero que os curitibanos se manifestem de maneira inteligente e ninguém escolha a vacina. Isso é uma sandice, uma estupidez. Importante é estar imune”, disse o prefeito que assim como sua esposa, Margarita, tomou a Coronavac. “Não nos
sentimos mal por isso”.

Tem dias que Curitiba aplica várias marcas de vacina. “Ontem (quarta) havia Pfizer, Janssen. Tem dias que tem AstraZeneca. Vacina boa é que vem pro braço. Essa é a boa. Esperar a que você deseja contraria todas as regras sanitárias e de autoproteção”.