Quem mora ou trabalha na região do prédio da Justiça Federal, no bairro Ahú, em Curitiba, não precisará fazer credenciamento para acessar a área nesta quarta-feira (13), data em que o ex-presidente Lula presta o segundo depoimento ao juiz Sérgio Moro. Segundo a Polícia Militar (PM), o entorno ficará bloqueado a partir de meio-dia para evitar confusões. Como a maioria dos moradores e comerciantes já fez credenciamento para o primeiro depoimento de Lula, em maio, o mesmo registro será usado para controle. Quem não fez, porém, deve circular com um comprovante de residência e documento em mãos para que os policiais liberem a passagem.

De acordo com a PM, ainda não há o mapa oficial dos bloqueios de ruas e desvios de trânsito e acesso na região. O que é certo é que as alterações serão feitas em dois perímetros e em uma área menor do que a do depoimento de maio. O primeiro bloqueio, logo em frente ao prédio da Justiça Federal, na Rua Anita Garibaldi, terá passagem totalmente impedida. Já no segundo, que deve chegar a duas quadras do edifício, a princípio, haverá apenas controle policial. Caso a situação fuja do controle, porém, Justiça pode determinar interdito a qualquer momento.

Segundo a Secretaria de Estado de Segurança Pública do Paraná (Sesp), policiais e agentes de trânsito começam a chegar nas proximidades da Justiça Federal a partir das 6h30 de quarta-feira para ajudar no desvio de veículos.

Mil policiais

De acordo com a Sesp, o contingente para cuidar da segurança do entorno será de 1.000 policiais militares. O número é um menor do que o apresentado no último depoimento de Lula à Sergio Moro, quando 1.700 homens foram deslocados para a tarefa.

A redução é relacionada à menor quantidade de manifestantes favoráveis e contrários ao ex-presidente chegando em Curitiba. Enquanto da primeira vez foram 60 mil , agora a estimativa é de que cheguem apenas 2.500 pessoas à cidade.