O Paraná enviou neste sábado (19) equipes especializadas do Corpo de Bombeiros, incluindo cães de faro, em apoio ao Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, para auxiliar no atendimento a ocorrências e nas buscas por vítimas desaparecidas em Petrópolis. A cidade foi devastada por fortes chuvas na terça-feira (15). Ao todo, 10 militares do Grupo de Operações de Socorro Tático (GOST) e quatro cães farejadores atuarão nos próximos dias na cidade atingida por temporais.

O envio das equipes aconteceu via terrestre e aérea. Na manhã deste sábado, três veículos saíram em direção ao estado do Rio de Janeiro levando seis bombeiros e dois cães. À tarde, às 16h55, quatro militares e dois cães se deslocaram por avião da Casa Militar da Governadoria para agilizar a chegada ao estado fluminense.

LEIA TAMBÉM:

>> Curitiba arrecada doações em supermercados para vítimas da chuva em Petrópolis; Veja onde doar

>> Inacreditável? Motorista carrega lixeira imensa no capô do carro na região de Curitiba

A missão foi determinada pelo governador Carlos Massa Ratinho Júnior em sinal de solidariedade e respeito às pessoas atingidas. “Petrópolis foi devastada por for fortes chuvas nesta semana, e o Paraná pode auxiliar neste momento tão doloroso. Nosso estado tem bombeiros altamente qualificados e cães preparados para essa missão. Queremos somar com os trabalhos das equipes que já estão no local”, disse o governador.

Fotos: José Fernando Ogura/AEN

Voo rumo ao RJ

O voo tinha previsão de chegada às 19h no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim – Galeão. Em seguida, a equipe será encaminhada para o 15º Grupamento Bombeiro Militar (GBM) de Teresópolis (RJ). A equipe deverá chegar no local por volta das 21h.

Os profissionais deverão atuar em Petrópolis por sete dias, período em que o comando do Corpo de Bombeiros paranaense avaliará a necessidade de envio de outro grupo para substituição.

Atuação em Brumadinho

O capitão do Corpo de Bombeiro, Alexis Iverson Martins, explicou que dos militares que vão atuar em Petrópolis, cinco estiveram em Brumadinho (MG), na tragédia que acometeu a cidade em 2019.

“A equipe aérea chegará antes e fará um trabalho precursor, recebendo as orientações para a execução da missão”, destacou o capitão Iverson. “Por terra está indo todo o aparato necessário para que possamos ser autossuficientes e não precisar desfalcar as equipes que já estão no local”, acrescentou.

Experiência

De acordo com o capitão, os militares a caminho do Rio de Janeiro têm diversas especialidades. “Eles têm experiência em operações com cães, busca e resgate em estruturas colapsadas, deslizamentos, trabalho com cordas, movimentação de cargas, por exemplo. São todos muito preparados para esse desafio”, garantiu.

Todos os cães são certificados com base nos critérios do Comitê Nacional de Busca, Resgate e Salvamento com Cães (CONABRESC), que se baseia em regulamentos internacionais para a padronização da atuação com cães. Eles são treinados para localizar o odor humano, seja da pessoa viva ou em decomposição.

O Corpo de Bombeiros do Paraná já prestou apoio em outras situações semelhantes em vários estados brasileiros. Em 2008, os profissionais atuaram em um deslizamento de terra em Itajaí (SC) e, também, no rompimento da Represa de Algodões, no ano seguinte, no Piauí. A operação mais recente foi em 2019, na cidade de Brumadinho, em Minas Gerais.

De acordo com informações levantadas pelo Corpo de Bombeiros do Paraná junto à Corporação do Rio de Janeiro, são mais de 350 bombeiros militares atuando no local diariamente.Por volta das 19h deste sábado, estavam confirmados 146 óbitos na tragédia e 191 desaparecidos.

Pantanal

Zuleica não aceita morar na fazenda com os filhos

Além da Ilusão

Davi expulsa Iolanda de casa

Novidades da Netflix

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana

Estreia da semana

5 curiosidades sobre “O Telefone Preto”