Uma discussão misteriosa que acabou em morte é investigada pelos policiais da Delegacia de Homicídios (DH). O crime foi por volta das 5h de ontem na Rua Governador Agamenon Magalhães, no Cajuru. O auxiliar de produção Alexsander Cobertini Leite, 32 anos, foi morto com vários golpes de faca por um homem que seria vizinho. Foi a segunda morte no bairro, durante o fim de semana.

No terreno onde Alexsander morava com a esposa havia também outras duas residências. De acordo com a Polícia Civil, durante uma festa na madrugada, a vítima entrou na cozinha pedindo socorro. Ele era perseguido por um homem com uma faca nas mãos.

A esposa de Alexsander, que estava o filho pequeno, conseguiu sair pela janela. A vítima foi para a rua e lá mesmo foi esfaqueado pelo homem. Segundo a perícia do Instituto de Criminalística, ele levou três facadas no peito, várias no pescoço e algumas no rosto.

Ainda segundo a Polícia Civil, latas, copos de cerveja e objetos que estavam na festa da casa dos fundos foram apreendidos. A polícia não sabe o que motivou a discussão e não tem nenhuma informação sobre o autor do crime. Denúncias sobre o motivo do crime e a identidade e paradeiro do assassino podem ser passadas à DH pelo disque-denúncia: 0800-6431-121.

Acerto

O outro crime no bairro foi a morte de Joel Gomes, 41, morto com um tiro de escopeta calibre 12 na madrugada da última sexta-feira, na esquina das ruas Arábia e Jordânia. De acordo com a Polícia Civil, moradores disseram ter ouvido pelo menos dois tiros e, quando saíram à rua, viram a vítima, que também era conhecida como “Metal”, caída ao lado de uma bicicleta.

Joel estava sem documentos e só foi identificado depois por familiares, no Instituto Médico-Legal. No local, poucas informações foram passadas à polícia, mas segundo o delegado Fabio Amaro, da DH, ele seria morador da Vila da Trindade. “Soubemos pela população que ele vivia de pequenos furtos e seria usuário de drogas. Talvez furtasse para manter o vício”, disse.