O trabalho do Corpo de Bombeiros foi retomado na manhã desta segunda-feira (27) no aterro sanitário em Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, por um operador de retroescavadeira que foi soterrado. Já são mais de 40 horas após o acidente que ocorreu no início da noite de sábado (25), no bairro Santa Terezinha.

De acordo com o capitão Freire, do Corpo de Bombeiros, o trabalho dos oficiais precisa ser realizado com cuidado devido à instabilidade do local. Além disso, a quantidade de material depositado é muito grande. “Pelo risco da área no sentido de ter muito material, é preciso recolher para seguir. É um trabalho minucioso, pois é um material bem instável”, disse o capitão em entrevista para a RPC.

+Leia mais! Quem lidera para o Senado e Governo do Paraná? Veja nova pesquisa!

Os Bombeiros trabalham com a possibilidade que o operador, de 41 anos de idade, esteja próximo a uma das duas escavadeiras que tombaram com a quantidade de lixo que vieram da parte superior do aterro. “Temos indícios, e acreditamos que a pessoa esteja próxima das máquinas”, reforçou Freire.

As equipes irão seguir trabalhando durante o dia, e não existe previsão de término do trabalho. O motivo do acidente ainda está sendo apurado pelas autoridades e pela empresa responsável pelo aterro.

Empresa presta apoio nas buscas

De acordo com o G1 Paraná, a empresa Estre Ambiental, responsável pelo aterro onde o acidente aconteceu, informou que houve um “descolamento de talude em seu aterro sanitário” e que acionou, de imediato, o Corpo de Bombeiros e as demais autoridades responsáveis, que se deslocaram para atendimento à ocorrência.

De acordo com a empresa “a prioridade total neste momento está em prestar socorro a um colaborador terceirizado que trabalhava na unidade, bem como dar assistência a seus familiares”.

Ainda conforme o G1, a Estre reforçou que, desde o ocorrido, está colaborando de forma irrestrita com as autoridades competentes, que já se encontram no local, para apurar e entender as causas e impactos da ocorrência.

Situação do aterro

O Instituto Água e Terra (IAT) relatou que enviou equipes ao local do acidente para avaliar possíveis danos ambientais causados no lençol freático. O órgão informou que está analisando as amostras para obter a conclusão dos resultados.

já em relação à licença ambiental do local, a empresa solicitou a renovação, realizada a cada dois anos, conforme exigência do órgão ambiental. Ao pedido da empresa, o IAT solicitou complementação e apresentação do laudo geotécnico dessa área.

A empresa, conforme informado pelo instituto, poderia continuar com as operações, por estar em dia com a licença, apesar de estar no prazo de solicitar renovação, o que está sendo analisado pelo IAT.

Pantanal

Tibério proíbe Muda de falar com Alcides

Além da Ilusão

Úrsula rouba o bebê de Heloísa

Novidades

Comédia com Paulo Gustavo e mais filmes e séries chegam nesta semana na Netflix, confira!

Carreira

Ganhadora do prêmio de pior atriz a vida rodeada de polêmicas, quem é Anne Heche?