O Conselho de Ética da Câmara Municipal de Curitiba decidiu arquivar o processo ético disciplinar contra o vereador Renato Freitas (PT), acusado de quebra de decoro por ofensas discriminatórias, ofensas morais à dignidade e intolerância religiosa ao se referir à bancada evangélica da casa como “pastores trambiqueiros” no chat da transmissão ao vivo de sessão da Câmara no Youtube. Quatro vereadores acompanharam o relatório do vereador Dalton Borba (PDT), enquanto Eder Borges (PSD) votou em separado, pela censura pública ao petista.

Durante a transmissão da sessão plenária de 1.º de abril, Renato Freitas escreveu no chat que “essa bancada conservadora dos pastores trambiqueiros não estão nem aí para vida, só pensam no seu curral eleitoral bolsonarista, infelizmente”. Por essa declaração (e outras no plenário da Câmara, que não foram admitidas no processo por causa da imunidade parlamentar), os vereadores Ezequias Barros (PMB), Sargento Tânia Guerreiro (PSL), Osias Moraes (Republicanos) e Pastor Marciano Alves (Republicanos) denunciaram o petista.

+ Leia mais: Guia de RG no Paraná agora pode ser paga por PIX em aplicativo de qualquer banco

Ao justificar seu relatório, Dalton Borba afirmou que não foi possível apurar o contexto das falas de Freitas nas redes sociais, e que neste caso elas “não podem operar contra ele”, e “que a dúvida deve operar em favor do acusado”. “O meu parecer foi pelo arquivamento do procedimento, por entender determinante a aplicação do princípio da inocência e do in dubio pro reo, que é uma base do direito penal”, defendeu.

Nas redes sociais

No depoimento de Freitas ao Conselho de Ética, o vereador alegou que uma manifestação sua no chat oficial da Câmara, devidamente identificado, é para ele uma afirmação oficial de um parlamentar no exercício de suas prerrogativas. Argumento também acatado pelos membros do conselho. “A imunidade parlamentar não é um privilégio, é um direito de quem elegeu [cada vereador]”, defendeu Denian Couto (Podemos). “Ainda que as palavras postas pelo vereador Renato Freitas possam se entendidas como ofensa, elas se deram no ambiente da discussão em plenário e na sua extensão, que é o chat da [transmissão ao vivo da] CMC”, acrescentou.

Leia também!

>> Empresa investe R$ 30 milhões para comprar 31 ônibus e renovar frota

>> R$ 120 milhões são investidos na maior fábrica de whey protein da América Latina

Em sua página no Facebook, em meio à votação, Renato Freitas postou: “Me criei meio assim, meio a “Deus dará”… Hoje tô aqui pra dizer que Ele deu mesmo. Só tenho a agradecer a oportunidade de estar como vereador de Curitiba, e poder lançar um olhar especial aos pobres e oprimidos. VENCEREMOS”, diz o texto, que vem acompanhado de uma foto dele na Câmara e com a marcação de presença no local.

Voto contrário

No voto em separado, Eder Borges discordou da falta de contexto atribuída pelo relator à manifestação de Renato Freitas. “Não existem dúvidas que as ofensas foram direcionadas à classe de pastores que fazem parte da CMC”, argumentou, defendendo que “acusações vazias e ofensas vis não merecem ser tratadas com proteção à imunidade parlamentar”. Borges disse que o parecer pelo arquivamento desenhava “um ambiente de impunidade” e que “a imunidade não deve servir como manto protetor para ofensas pessoais sem relação com as funções parlamentares”.

Prisões

O vereador Renato Freitas já havia passado por duas situações polêmicas neste ano. Ele foi preso no dia 4 de junho por policiais militares, na Praça 29 de Março, no bairro Mercês, enquanto jogava basquete na cancha da praça com uma caixa de som.

Pouco mais de um mês depois, em julho, Renato Freitas foi mais uma vez detido, na Praça Rui Barbosa, pela Guarda Municipal de Curitiba.

Web Stories

Pega Pega

Sérgio avisa a Erica que o juiz o liberou sob fiança

Humm!

Quatro opções de café da manhã de hotel em Curitiba

Império

Começa o desfile da Unidos de Santa Teresa

Esporte

Aprenda a jogar Tênis de graça em Curitiba