Um total de 230 passageiros de Curitiba tiveram seus cartões de transporte desabilitados pela Urbs, empresa que gerencia o transporte público de Curitiba, por terem diagnóstico positivo para covid-19. A prefeitura informou, na semana passada, que iria fazer isso para evitar que pessoas com potencial de transmitir o vírus circulassem no transporte coletivo.

Destes, 32 tentaram furar o isolamento e passar o cartão na catraca. Quem está na lista restritiva de cartões desabilitados e tenta passar na catraca “queima” o cartão ao encostá-lo no validador.

Caso tenha o cartão “queimado”, o passageiro precisa, passados os setes dias de isolamento, desbloquear o cartão pessoalmente na Urbs, após agendamento pelo site da Urbs.

“Para quem cumpriu a quarentena em casa não há necessidade de preocupação porque, após os sete dias, o cartão é desbloqueado automaticamente”, explicou  Ogeny Pedro Maia Neto, presidente da Urbs.

Como é feito o bloqueio?

O bloqueio está sendo possível graças ao cruzamento dos dados do CPF dos diagnosticados com os CPFs dos usuários de cartões-transporte na capital. Foram cruzados dados de 4.720 pessoas diagnosticadas na capital. Desses, 2820 possuíam cartão de transporte, mas apenas 230 com cartão ativo e uso frequente.

Segundo a Urbs, os cartões representam mais de 60% do meio de pagamento no transporte coletivo. Atualmente são 1,8 milhão de cartões-transporte usuário, 170,3 mil cartões do idoso, 15,5 mil isentos e 772 de estudantes ativos na capital.