A secretária da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, fez uma postagem em tom de desabafo em sua conta pessoal no Facebook neste último domingo (7). “Chegamos ao limite das nossas forças e da capacidade de resposta do sistema de saúde. E não me venham dizer que não nos preparamos”, escreve Huçulak logo no início do texto.

Com seis dos nove hospitais que atendem casos de coronavírus na rede SUS em Curitiba estão com 100% de lotação, segundo a Secretaria Estadual da Saúde. Os dados são de domingo (8) e uma nova atualização nesta segunda-feira pode demonstrar uma situação ainda mais crítica na capital do estado.

LEIA TAMBÉM – Força feminina: mulheres que combatem a pandemia dentro e fora dos hospitais de Curitiba

Márcia Huçulak, em seu texto, é crítica e alfineta quem desrespeitou as medidas restritivas durante a pandemia. “Não nos preparamos para ver uma sociedade auto-referida e egoísta que só pensa em si. O Brasil é o único lugar que as medidas restritivas não funcionam porque aqui não há disciplina nem respeito. Aliás, se houvesse, não precisaríamos de medidas restritivas”.

Com um “vírus democrático”, que não escolhe classe social, Huçulak comenta o quão avassalador é ver a quantidade de pessoas que chegam aos serviços de saúde. “Não importa se você é pobre ou rico, não vai ter UTI”, desabafa. Junto com o texto, a secretária postou a ilustração de um profissional da saúde cansado.

Imagem que acompanhou o texto desabafo da secretária da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak. Imagem: reprodução / Facebook.

A secretária ainda comenta da possibilidade de um hospital de campanha, e revela que não há profissionais suficientes para uma solução como essa. “Não há mais profissionais de saúde e com saúde, para atuar nesses lugares. Nossos profissionais de saúde chegaram à exaustão. E um aviso aos incautos, 25% das pessoas que internam morrem. Se for para UTI e for entubado, 50% de óbitos. Fizemos do Brasil um covidário. Deus nos ajude”, finaliza.