A quantidade de chuva acumulada em Curitiba desde a noite de quinta-feira (12) chegou a 50 mm, segundo Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar). Apesar do tempo “ruim”, não há como reclamar, já que o baixo nível dos reservatórios de água da Grande Curitiba forçou a Sanepar a adotar um rodízio mais severo no abastecimento na região.

O maior volume de chuva aconteceu mesmo na sexta, quando foram registrados 40 mm em Curitiba. Com essa intensidade das precipitações, o acumulado de agosto, desde o dia 1.º até a manhã deste sábado (14), já chega a 70 mm na capital. A média histórica para o mês é de 81 mm.

Segundo informou o Simepar, este foi o maior volume de chuva em Curitiba desde o mês de junho. E a chuva dos últimos dois dias foi boa também para outras regiões Paraná. Ela caiu desde o Oeste do estado, passando pela região central e também no Leste, entre a região metropolitana e as praias. Inclusive raios foram registrados nos Campos Gerais. Acumulados de precipitação na sexta-feira superaram os 80 mm em Guaraqueçaba e Guarapuava, Interior do estado.

+ Leia mais: Silvio Santos testa positivo para a covid-19 e é internado em São Paulo

Ainda conforme o Simepar, o sábado deve ser um dia de instabilidade atmosférica na região de Curitiba e nas praias. Na capital, há possibilidade de chuvas fracas ao longo do dia, parecidas com as que já foram registradas nesta manhã. No Leste, entre a Serra do Mar e as cidades litorâneas, as precipitações devem ser de moderadas a fortes.

“O tempo seguira instável por conta do fluxo de umidade nas camadas superiores da atmosfera, o que reforça essa condição e favorece as chuvas. A condição, será mais restrita a metade sul do estado, em todas as regiões. São esperadas chuvas a qualquer momento, preferencialmente com fraca intensidade”, disse Lídia Mota, meteorologista do Simepar.

Sobre as temperaturas previstas para este sábado, o Simepar aponta uma variação térmica entre 11º C e 18º C na capital. Nas praias, a variação deve ficar entre 13º C e 16º C. “As temperaturas já terão resposta positiva em relação a sua elevação, principalmente nestas regiões, que tiveram temperaturas mais baixas”, concluiu.