A forte tempestade que atingiu Curitiba nesta tarde de terça-feira (2) provocou alagamentos, causou estragos em 156 casas e afetou 624 pessoas. De acordo com a Defesa Civil municipal, foram registrados estragos nos bairros Boqueirão, Cajuru e Portão.

Equipes da Prefeitura atenderam a 13 ocorrências: oito de alagamentos, três para fornecimento emergencial de lona e duas quedas de árvore. As pancadas de chuva atingiram com mais intensidade as regionais Cajuru, Boqueirão e Pinheirinho. Até agora não houve registro de pessoas que precisaram deixar suas casas (desabrigados ou desalojados).

LEIA TAMBÉMChuvas fortes alagam Morretes, no Litoral do Paraná; veja imagens feitas por moradores

As regiões próximas ao córrego Alto Boqueirão, Vila Nova e Vila Pantanal foram as mais afetadas. Na Vila Sabará/Primeiro de Maio três casas foram alagadas. Nestes pontos, equipes das Administrações Regionais, da Defesa Civil, da Guarda Municipal e da Fundação de Ação Social (FAS) fazem os atendimentos necessários. Moradores receberam cestas básicas, cobertores e colchões.

A Limpeza Pública, da Secretaria de Meio Ambiente, e a Secretaria Municipal de Obras Públicas foram acionadas. Pelo pluviômetro localizado em São José dos Pinhais, foram contabilizados 17 mm de chuva em menos de uma hora.

O Centro de Operações da Guarda Municipal registrou as seguintes ocorrências de alagamento: ruas Laranjeiras do Sul, Ivaiporã e Nair Ferraz Cazelatto (esquina com Angelina Pegar Pasini), no bairro Alto Boqueirão; Rua Abrão Winter (dois pontos distintos), bairro Xaxim; Rua João Bettega (cruzamento com a Rua Gen. Potiguara); Rua Anibal Kury (esquina com Rua Anjolilo Buzzetti), CIC; e Avenida Cândido de Abreu, no Centro Cívico.

As quedas de árvore foram registradas na Rua Ana José de Oliveira Carvalho, no Boqueirão, e na Rua Orlando de Moura Leite, no Barreirinha.

Previsão é de mais chuva!

A Defesa Civil municipal alerta para novas chuvas regionalizadas nas próximas horas. A orientação é evitar sair de casa. Se a pessoa estiver na rua, deve evitar se abrigar embaixo de árvores ou estruturas de metal, tanto se estiver a pé quanto de carro. Motoristas precisam redobrar a atenção e reduzir a velocidade.

Em caso de estragos, o atendimento ao cidadão é feito pelo telefone 156 ou pelo aplicativo do serviço. O atendimento é feito por ordem de chamada e também de acordo com a gravidade da situação relatada. Outras situações decorrentes de chuvas ou temporais podem ser atendidas pelo Corpo de Bombeiros (193 – resgate) e pela Copel (falta de luz).