Está cada dia mais difícil circular pela Cidade Industrial de Curitiba (CIC). É a região da capital mais afetada pelas chuvas do último fim de semana e a vida de várias famílias ficou muito complicada. Um dos problemas é a cratera que se formou na Rua João Dembinski no final de janeiro.

A erosão acabou destruindo a calçada, a via para ciclista e parte do asfalto destinado aos carros. Para piorar, a obra de reparo precisou ser adiada por conta do alto volume de chuva registrado no último sábado. A ponte da Rua Clemente Ritz, onde iriam passar os carros desviados, teve uma parte destruída e com isso a obra da João Dembinski deve começar com uma semana de atraso e durar cerca de três meses até ser concluída.

Leia mais: Após visitar cratera na CIC, Greca promete construir muro de contenção no local

A cratera se abriu na noite do dia 30 de janeiro e fica em uma área de bosque, nos fundos do Centro de Educação Infantil Ubatuba Tambaú. Quem passa pela região encontra uma série de bloqueios confusos e muita imprudência. A situação é ainda pior para quem anda a pé, já que é preciso contar com a boa vontade de alguns condutores.

Foto: Átila Alberti
Foto: Átila Alberti

Alguns vizinhos relatam que sentem falta de um lugar mais seguro para atravessar e transitar durante o período de obras. De acordo com alguns relatos, quem mais faz falta são os agentes da Secretária de Trânsito (Setran), que costumam trabalhar na região somente em horários de maior movimento.

“Sinto falta dos agentes trabalhando no local em outros horários e, claro, da rua arrumada. Motoristas não respeitam e final de semana é ainda pior, durante a noite. Eu acho que deveria de ter um carro da Setran orientando o trânsito durante o dia todo, ou fechar o local de vez. Eu acho que precisa de mais fiscalização”, argumentou a moradora Odete Maria de Oliveira.

Trânsito caótico

A Tribuna esteve na região e presenciou diversas imprudências. Alguns motoristas se arriscam na contramão para não precisar acessar o desvio, dirigem em alta velocidade e se negam a parar para os pedestres. Tudo para “chegar mais rápido”. Laudiceia Aparecida Cordeiro, moradora da região há quinze anos, também fez um relato parecido com o de Odete. Ela conta que passa por ali todos os dias e que, de fato, a situação é ainda pior na parte da noite, onde os motoristas se sentem “menos fiscalizados” para cometer infrações de trânsito.

“Tá difícil, à noite e durante o dia mesmo ninguém respeita. Eles vêm na contra mão, não tem condições, porque nós passamos aqui a pé e temos escola, creche na região e tá muito complicado. Aqui deveria só subir, mas à noite é terrível”, contou.

A Secretária de Trânsito foi procurada e informou que “todos os dias, equipes da Superintendência de Trânsito estão no local para fazer a orientação aos motoristas nos três momentos de maior circulação de veículos: início da manhã, tarde e noite”. Segundo a Prefeitura de Curitiba, o trabalho na Rua João Dembinski deve durar três meses e durante esse período, somente quem mora ou trabalha no local poderá circular no trecho bloqueado. Os demais motoristas precisarão passar pelo desvio indicado.

Foto: Átila Alberti
Foto: Átila Alberti