Milhares de paranaenses seguem sem energia elétrica nesta sexta-feira (03), três dias após a passagem do ciclone bomba, na última terça-feira (30), pelo Paraná. São 79 mil unidades ainda sem luz no Paraná. Destes, 1,5 mil em Curitiba. As cerca de 60 horas sem luz comprometeu produtos que estavam nas geladeira e gerou uma rede de solidariedade entre vizinhos de Curitiba.

+Viu essa? Havan vende 5 kg de arroz por R$ 22; lojas de Curitiba são obrigadas a fechar

Na RMC alguns pontos estão demandando o trabalho de grandes equipes, como a Vila Macedo, em Piraquara. Ao todo, 35 postes foram ao chão com a tempestade. A Copel deslocou nove equipes, com 63 profissionais, para reconstruir os trechos.

O trecho sul da RMC foi o mais atingido. Nesta sexta-feira (03), Rio Negro segue com 1,3 mil desligamentos; Quitandinha com 4,5 mil; Campo do Tenente com 1,4 mil; Mandirituba com 3,5 mil e Tijucas do Sul com 2,5 mil. Em São José dos Pinhais, também uma das mais atingidas, os desligamentos diminuíram para 5,1 mil. 

A Copel reforça que está com as equipes nas ruas para fazer os reparos, mas que a demanda é muito grande, a maior enfrentada pela empresa. Não há uma previsão total de retorno, já que cada caso é diferente.

Ciclone devastador

O ciclone bomba foi o responsável pela maior ocorrência da história da Copel. Foram 1,2 milhão de unidades consumidoras prejudicadas, o que corresponde a 40% de toda a rede elétrica do Paraná. O fenômeno foi tão forte que um prédio teve o telhado arrancado e outro apartamento, no Boa Vista teve a janela puxada pra fora com a força do vento, que chegou aos 100 km/h. Sem contar as milhares de pessoas que ficaram sem água após centrais de abastecimento ficarem também sem energia.

O que fazer em caso de falta de luz

A comunicação de falta de luz pode ser feita pelo aplicativo para celulares da Copel, ou enviando um SMS para o número 28593, com as letras “SL” e o número da unidade consumidora. Ambas as informações podem ser trazidas ainda pelo telefone gratuito 0800 51 00 116.