No primeiro dia do decreto estadual, que amplia as medidas de combate ao coronavírus no Paraná, Curitiba deu sinais de que vai respeitar a determinação do governo. Nesta tarde de quarta-feira (1), a Tribuna do Paraná circulou pelo Centro da capital e outros bairros, que apresentaram pouca circulação de pessoas e comércios não essenciais fechados.

LEIA MAIS: Ônibus de Curitiba só circularão com passageiros sentados por 14 dias

Ainda não era a cara de cidade fantasma como havia sido reportado pela Tribuna no início da pandemia, em março, mas o movimento caiu bastante em relação aos últimos dias, quando a prefeitura de Curitiba foi obrigada a decretar a bandeira laranja para evitar o colapso no sistema de saúde.

No Centro, apenas farmácias estavam abertas, já que são considerados serviços essenciais. Assim como diversas óticas e estabelecimentos de delivery de comida e hortifruti. Poucas lojas que não se enquadram no setor dos serviços essenciais mantinham a porta entreaberta.

Mesmo assim, não se percebia clientes no lado de dentro dos locais. A reportagem passou pela Rua XV de Novembro e arredores. Como apontou o jornal Meio Dia Paraná, da RPC, alguns empresários desses setores apenas se organizavam para o fechamento obrigatório dos próximos 15 dias.

No Centro Cívico, nas ruas próximos ao Shopping Müller, onde se encontram inúmeros brechós e lojas diversas, a circulação de pessoas também era mínima e os comércios estavam com as portas fechadas.

O mesmo ocorreu no São Braz. Pouca gente circulando a pé pela Avenida Vereador Toaldo Túlio. O número de veículos pela região ainda era mediano nesta tarde de quarta-feira. Por lá, apenas lojas de material de construção, supermercados, óticas, farmácias, lojas de pneus e serviços automotivos estavam abertas.

Lockdown é o próximo passo

O secretário estadual da saúde Beto Preto, em entrevista ao jornal Meio Dia Paraná desta quarta-feira, comentou sobre as novas medidas restritivas, que impõe o fechamento de atividades não essenciais em sete regionais do estado. Segundo o secretário, o lockdown pode acontecer caso o número de infecções de coronavírus não apresente uma diminuição.

ENTENDA – Entenda o que acontece quando é decretado lockdown

“Não queremos que isso aconteça. Nós queremos perder a menor quantidade de vidas possível. Temos que repensar tudo isso, queremos passar por essa pandemia de maneira equilibrada e temos uma preocupação com todos esses serviços essenciais”, esclareceu o secretário.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?