A cobra píton de quase 2 metros de comprimento que foi resgatada neste domingo (13), em uma empresa de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, foi transferida para o Setor de Fauna do Instituto Água e Terra (IAT) na manhã dessa segunda-feira (14) e foi destinada para uma instituição parceira do órgão. O animal pode ter sido fruto de tráfico de animais silvestres por não ser nativo da região.

+Viu essa? Fisiculturista curitibano morre após complicações da covid-19

Em nota, o IAT esclareceu que essa espécie é exótica no Brasil e não pode ser solta na natureza. É um animal não peçonhento, ou seja, não produz veneno e possui os dentes adaptados para isso. “É um animal constritor, que mata as suas presas por asfixia, por ser exótica invasora, pode vir a causar danos a fauna nativa da região, assim como acidentes com animais domésticos e até mesmo humano. Além disso, essa espécie não é permitida a criação e comercialização em nosso Estado. Portanto, para ela ter sido encontrada aqui em nosso território, só pode ter sido fruto de tráfico de animais silvestres”, reforçou a nota.

Se alguém possuir um animal silvestre em casa sem a devida documentação e/ou autorização do Instituto Água e Terra poderá sofrer as devidas ações penais. O cativeiro irregular de animais silvestres sendo eles exóticos ou não é crime. A recomendação nesses casos é que o animal seja entregue voluntariamente ao Setor de Fauna do IAT.

Olha a cobraaaa!

O caso chamou a atenção nas redes sociais, pois funcionários da fábrica Multilit, no bairro Ipê, foram surpreendidos com esta visita inusitada por volta das 6h45. Após visualizarem o réptil e perceberem que poderiam correr algum tipo de risco, ligaram para o Corpo de Bombeiros, que fez o resgate em 15 minutos.

Vilma Noriller, 53 anos, gerente administrativa da Multilit, foi informada da situação pelos colegas logo no começo do dia. A orientação passada aos funcionários é que eles não mexessem ou matassem a cobra. “A nossa orientação é que eles fiquem apenas observando para não deixar o animal fugir. Não matar e não mexer. Já tinha aparecido aqui na fábrica outros tipos de animais como capivara, macaco e lagarto. Cobras apenas aquelas d´água que são pequenas. Estamos ao lado do Rio Pequeno e por ser uma área aberta, já estamos até acostumados. Claro que não deste tamanho, pois assusta mesmo”, disse a gerente.

Cobra com fome!

A fábrica funciona 24 horas por dia e a movimentação é intensa. A cobra estava no setor de expedição e o espaço é ideal para se esconder e ainda conseguir alimentação. Reginaldo dos Santos, 40 anos, monitor de equipe estava no momento em que foi avisado por um colega sobre a cobra. “Foi um caldeireiro que avisou pelo rádio. O local ali tem restos de obra e alguns passarinhos ficam por ali. Imagino que a cobra estava querendo dar o bote em algum pássaro. Avisei o meu gestor e ele ligou para os bombeiros. Digo que deu medo e apareço no vídeo dando até um pulo”, ironiza Reginaldo.

A ação dos bombeiros durou 15 minutos e a cobra píton foi encaminhada para o Polícia Ambiental de São José dos Pinhais. Passou o dia em uma grande caixa e nesta segunda-feira foi encaminhada ao Setor de Fauna do Instituto Água e Terra e depois destinada para uma instituição parceira do órgão.