O momento é crítico e de enorme preocupação. Três hospitais de Curitiba não têm mais vagas em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) para adultos exclusivos para covid-19. Além disso, outros três ultrapassaram os 90% de ocupação. A taxa de uso dos 383 leitos de UTI SUS exclusivos está em 93% e com 27 leitos livres. Novos espaços serão abertos nesta quarta-feira (3) no Complexo do Hospital de Clínicas (HC) da Universidade Federal do Paraná.

LEIA MAIS – Praça “Memorial da Saúde” é construída em Curitiba pra homenagear vítimas da covid-19

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (Sesa), os hospitais Evangélico Mackenzie, Reabilitação e Trabalhador estão com 100% de ocupação. Outros centros hospitalares como o Hospital Vitória, Rocio, Santa Casa estão também com grande movimentação (99%, 97% e 92% respectivamente). Já em outros hospitais, a taxa de ocupação é menor, mas estão acima ou igual a 80%. O HC está com 87%, Cruz Vermelha com 86% e São Vicente com 80%.

Na terça-feira (2), o Hospital Nossa Senhora das Graças, em Curitiba, deixou de receber temporariamente novos pacientes de urgência e emergência com sintomas de covid-19. 

Mais 16 leitos

Na tentativa de amenizar o momento que é considerado crítico por autoridades de saúde de todo o estado, o Complexo Hospital de Clínicas da UFPR/Ebserh iniciou a abertura de mais 16 leitos de UTI para atendimento de pacientes com covid-19. Com os novos leitos o HC vai passar a ofertar 165 vagas. No total, a capital paranaense tem 877 leitos, sendo 378 UTIs SUS covid-19 e 499 enfermarias (segundo dados divulgados na terça-feira, sem contabilizar os novos do HC).

LEIA AINDA – “É uma questão de vida ou morte”, desabafa Beto Preto sobre situação da pandemia no Paraná

Curitiba retornou para bandeira laranja na semana passada e aumentou a rigidez no combate contra o novo coronavírus com a adoção das medidas duras propostas pelo governo estadual. No último boletim epidemiológico divulgado pela prefeitura de Curitiba, são 8.279 casos ativos na cidade com 2.961 mortos em virtude da doença desde o começo da pandemia, em março de 2020.