Ativos de um dos principais destinos turísticos do Paraná, a Ilha do Mel, projetam uma retomada da visitação conforme a vacinação contra a covid-19 avança: segundo a Agência de Desenvolvimento do Turismo Sustentável do Litoral do Paraná (Adetur Litoral), o turismo ecológico é um dos trunfos para atrair mais visitantes, ainda que o destino siga com limitação de 50% da sua capacidade – 2,5 mil pessoas podem visitar simultaneamente o local.

Além dos protocolos de segurança, como exigência de uso de máscaras, higienização das mãos e aferição da temperatura nos acessos à Ilha do Mel, uma novidade que dá mais segurança aos visitantes é o fato de que a população local é uma das mais adiantadas do Paraná na imunização contra a Covid-19.

LEIA TAMBÉM:

>> Paraná altera decreto restritivo e libera supermercados até às 23 horas

>> Vacinação para população geral continua neste sábado no Litoral e RMC. Confira!

Segundo a prefeitura de Paranaguá, 1.227 moradores acima de 18 anos já receberam ao menos a primeira dose, o que corresponde a 88% da comunidade adulta da ilha. A administração municipal argumenta que houve pessoas que contraíram Covid-19 ou dengue e/ou tomaram outras vacinas, e por este motivo, devem aguardar 30 dias para a imunização. Mesmo assim, a meta é chegar a 100% da população vacinada com primeira aplicação dentro das próximas semanas. Receberam a segunda dose, por enquanto, 46 habitantes.

“A Ilha do Mel tem sido muito procurada porque o pessoal está buscando mais turismo na natureza e menos nos grandes centros, até pela questão de segurança. A Ilha do Mel não é só praia, embora isso também seja algo forte no destino: 95% é área de preservação ambiental. Há várias outras opções: caminhadas (como a recém-criada Caminhada Ecológica das Encantadas, realizada aos sábados pelo Convention & Visitors Bureau local), cicloturismo, surfe, passeios náuticos, como o que vai até a Baía dos Golfinhos, de paraglider, canoa havaiana”, detalha Tiago Choinski, diretor técnico da Adetur Litoral e gerente da filial de Morretes da Serra Verde Express, concessionária dos trens turísticos na ferrovia Paranaguá-Curitiba.

Ele aponta que o próprio movimento da Serra Verde reflete como os destinos turísticos paranaenses foram afetados pela pandemia. “Em 2019, tivemos uma venda histórica, a maior do passeio. Em 2020, veio a pandemia e ficamos sete meses a zero. Depois, voltamos podendo operar com apenas 50% da capacidade, e mesmo assim só em feriados tivemos ocupação total desses 50%”, relata.

Choinski destaca que a expectativa dos empresários locais, da Ilha do Mel e de todo o Litoral, é que seja cumprida a vacinação de toda a população adulta do Paraná com primeira dose até o final de setembro, conforme projetado pelo governo do estado. “As pessoas estão buscando mais turismo de natureza, nada ‘programadinho’, e sim mais vivência e experiência”, argumenta.