Os constantes reajustes do preço da gasolina, sendo o mais recente deles de 18,8% nas refinarias está provocando revolta e preocupação entre os motoristas que trabalham com aplicativos de carona em todo o Brasil. Em Curitiba, a categoria se mobiliza para buscar alternativas para aliviar o bolso na hora de abastecer. Já para o passageiro, a situação fica igualmente complicada, já que os taxistas terão um reajuste também nas tarifas.

Uma das primeiras ações é mostrar a indignação com as empresas que controlam a atividade com manifestações em frente aos endereços das companhias. Uber e 99 são as principais no país e que possuem a maior quantidade de motoristas parceiros.

A Uber anunciou em março um pacote de medidas para ajudar nos custos dos motoristas parceiros. Serão investidos cerca de R$ 100 milhões no em iniciativas voltadas ao aumento nos ganhos e redução dos custos dos parceiros com de um reajuste temporário no preço das viagens. Além disso, houve um reajuste temporário de 6,5% nos preços, a ser aplicado nas viagens.

Já a 99 decidiu reajustar a tarifa dos motoristas em suas corridas em 5%. Segundo a companhia, esse porcentual será o suficiente para anular o crescimento dos gastos com gasolina dos parceiros que utilizam a plataforma da 99. A empresa também decidiu diminuir as taxas cobradas dos motoristas em determinados períodos do dia para auxiliá-los nesse momento.

+Leia mais! Radar na Linha Verde multou 13,5 mil motoristas em apenas um mês. “Uma pegadinha de mau gosto”

Apesar de incentivos que podem proporcionar uma renda maior, os motoristas acreditam que essa ação é pontual, ou seja, é mais para mostrar ao grande público que as empresas estão fazendo algo aos condutores. Paulo Sérgio de Lima, representante dos motoristas cadastrados nas plataformas, a 99 e a Uber estão usando o atual momento econômico para ludibriar os trabalhadores.

“Teve um aumento de no máximo 7% nas corridas. Foi bom, mas nem todas as corridas são passadas esse reforço. Essa ação é um pouco enganosa na minha opinião, pois essa taxa já existia algum tempo, e a empresa está usando isso agora para tirar a fúria dos motoristas de aplicativos. Temos que ficar atentos”, disse Paulo Sérgio.

É preciso trabalhar!

Para Anderson Vieira, motorista de aplicativo há 2 anos, o momento não é positivo para a classe, mas é preciso mostrar disposição para enfrentar essa barreira. “Pensei em desistir, mas é preciso trabalhar. Não adianta a gente ficar reclamando em casa e não ir para a rua. Muitos reclamam que desistimos de uma corrida pequena, mas temos a liberdade de procurar algo melhor. Vamos acreditar que isso vai passar logo”, comentou Anderson.

Locação não é solução?

Nos últimos dois anos, vários motoristas de aplicativos devolveram o veículo que era utilizado para o trabalho. Locação acima de R$1,5 mil por mês, pandemia da Covid-19 e queda na receita foram os principais motivos da desistência. E 2020, ano em que o coronavírus chegou ao Brasil, as locações diárias caiu 90% de acordo com a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA).

Pantanal

Juma atira nos pés de Jove

Loterias

Veja o resultado das loterias desta terça-feira!

Inverno Chegou

Veja como será o primeiro dia de inverno em Curitiba

Além da Ilusão

Lorenzo declara seu amor por Letícia