Comerciantes contrários as medidas restritivas da bandeira vermelha de Curitiba realizam uma carreata em protesto na região do Centro Cívico, nesta tarde de terça-feira (1º). Convocado pelo presidente da Associação Comercial do Paraná Camilo Turmina, os carros saíram em buzinaço da Praça Nossa Senhora da Salete pela Avenida Cândido de Abreu.

Em entrevista aos jornalistas presentes, Camilo Turmina explicou que a carreata demonstra a insatisfação do comerciante de Curitiba. “Estamos sem ter o que fazer. Após uma determinação isolada, Curitiba toma uma medida drástica dizendo que só essenciais devem trabalhar. Nós, desnecessários, estamos dando uma caminhadinha para dizer que queremos voltar ao trabalho, simples assim”, defendeu.

LEIA TAMBÉM:

>> Presidente da ACP pede renúncia de Greca e convoca carreata em protesto ao lockdown

O presidente da ACP aproveitou para criticar a circulação dos ônibus na capital. “O comércio não é lugar de infectação. O ônibus é lugar latente de coronavírus. 50% de ocupação dos ônibus é quatro pessoas por metro quadrado. Não tem como enxugar gelo. Não parem o comércio, comércio é vida. Comércio é emprego e renda”, criticou.

Turmina defendeu a antiga proposta de um rodízio de atividades, em vez do fechamento total do comércio não essencial. “Nossa mentalidade é mais aberta. É defender um rodízio de atividades e a prefeitura não entendeu. Vão continuar com ‘lockdownzinho’ que não adianta nada”.