A possibilidade de Curitiba voltar à bandeira vermelha a partir desta quinta-feira (27) – dia em que termina a validade do atual decreto da bandeira laranja – e endurecer novamente as regras preventivas contra a covid-19, como alertou a secretária municipal de Saúde Márcia Huçulak, preocupa a Associação Comercial do Paraná (ACP). Em nota divulgada nesta terça-feira (25), a entidade se posiciona mais uma vez contrária ao lockdown e pede proteção para o comércio da capital.

“A Associação Comercial do Paraná encarece às autoridades que não voltem a punir o comércio de Curitiba. Temos ciência de que o poder público deve responder a eventual crescimento de casos de covid-19, mas que o faça com ações mais assertivas e não com o fechamento do comércio, uma medida inócua que vem se repetindo desde o início da pandemia”, diz a ACP, no comunicado.

LEIA TAMBÉM:

>> Leitos de enfermaria SUS para covid-19 chega a ocupação máxima em Curitiba

>> Curitiba vai acelerar detecção da covid-19 com uso de testes rápidos em quem tem sintomas

Ainda segundo a ACP, o segmento comercial e de serviços não suporta mais os prejuízos causados pelos decretos de “abre e fecha”. “A cada declaração da secretária de saúde Márcia Huçulak anunciando a iminência de medidas mais restritivas instala-se o pânico entre os empresários, cada vez mais inseguros sobre a sobrevivência de seus negócios”.

Medidas contra a covid-19

Entre as medidas preventivas sugeridas pela ACP, contra a covid-19 e “a arbitrariedade do lockdwn”, estão a adoção do rodízio de atividades e escalonamento de horário, o combate às aglomerações e da lotação em ônibus do transporte coletivo. “Que se combata as festas e aglomerações e que se proíba de vez os ônibus lotados. Mas que se deixe o varejo e a vida fluir dentro do possível sem a adoção dos lockdowns causadores da falência de um número incontável de negócios e a consequente perda de milhares de vaga de trabalho”.

LEIA AINDA – UFPR encontra material genético do coronavírus em objetos de hospitais e consultórios de Curitiba

Ainda com foco no transporte dos trabalhadores do comércio, a entidade afirma que está patrocinando um projeto piloto nos ônibus da região metropolitana com um sistema que alerta para a lotação dos veículos. “Oferecemos o mesmo sistema para a Urbs”, diz a ACP. E também, uma parceria com um aplicativo de caronas compartilhadas.

“Lançaremos uma parceria inédita com o Waze Carpool para que trabalhadores tenham a opção de evitar os riscos de contaminação no transporte coletivo lotado. Também vamos viabilizar às empresas associadas e seus colaboradores ônibus fretados seguros e sem aglomeração a R$ 5 cada viagem. A ACP está fazendo sua parte com responsabilidade e continuará neste rumo”, finaliza a nota.