O agravamento da pandemia de novo coronavírus fez o Conselho Regional de Medicina do Paraná emitir um alerta máximo nesta terça-feira (1º), sobre a capacidade operacional do sistema de saúde e também, sobre as condições físicas e emocionais de médicos, enfermeiros e outros profissionais da área.

LEIA AINDA – Curitiba: 13 mortes, 1.302 casos, 13.253 ativos e 91% de lotação nas UTIs

Em publicação feita nas redes sociais, o Conselho informa que equipes que atuam no atendimento de pacientes da covid-19 estão trabalhando em seus limites e que afastamentos têm sido necessários entre os profissionais que são contaminados.

LEIA MAIS – Paraná terá toque de recolher pra conter avanço da covid-19. Decreto sai até quarta

Ainda de acordo com o CRM-PR, as próximas semanas da pandemia devem ser críticas e a recomendação é que os cuidados com a prevenção sejam mantidos.

“Não temos mais equipes para abrir leitos”

Na segunda-feira (30), a secretária de Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, fez um desabafo nas redes sociais ao anunciar mais 40 leitos para atendimento dos casos de covid-19 em Curitiba. “Tudo tem limite, não temos mais equipes para abrir leitos”, alertou. Curitiba está em bandeira laranja desde sexta-feira-feira (27).

VIU ESSA? Aulas na rede municipal suspensas até dia 18, fim do ano letivo em Curitiba

“As pessoas precisam entender que não se tem médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas e toda a equipe de apoio laboratorial e limpeza no almoxarifado. Podemos ter camas, respiradores, monitores, medicamentos em estoque. Profissionais de saúde e de apoio são pessoas que têm família, que também precisam descansar, querem ver seus filhos e pais e muitos não o fazem há meses”, desabafou a secretária, que finalizou o post com as seguintes hashtags: #solidariedade, #VidasNãoVoltam e #APandemiaNãoAcabou.