O enterro de Amanda Albach, 21 anos, que teve o corpo encontrado enterrado em uma praia de Santa Catarina, após ser morta e obrigada a cavar a própria cova, ocorreu neste domingo (5), no Cemitério Municipal de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, onde a jovem morava. 

Amanda, que era promotora de vendas, havia desaparecido no dia 15 de novembro, quando saiu de casa com conhecidos para uma balada. A jovem foi localizada na última sexta (3), enterrada na praia Irapirubá Norte, em Laguna (SC). A Polícia Civil de Santa Catarina informou que, em depoimento, os suspeitos disseram que a obrigaram a cavar um buraco para ser enterrada, antes de morrer com dois tiros de arma de fogo.

LEIA TAMBÉM: Conheça os barcos de luxo feitos pertinho de Curitiba. Cada modelo custa R$ 5 milhões

A jovem foi assassinada por, supostamente, fotografar um homem armado, com histórico de tráfico de drogas, na mesma casa onde estava com amigos. Ela teria enviado as imagens a terceiros. O homem temeu ser denunciado e cometeu o crime, de acordo com a investigação.

Segundo a polícia, o criminoso afirmou que obrigou a vítima a caminhar com a pá e cavar a própria cova antes de efetuar os disparos.

A polícia prendeu três pessoas em Canoas (RS), uma delas amiga da promotora, suspeitas de envolvimento no crime.

Relembre o caso

Um dia antes de desaparecer, em 15 de novembro, Amanda foi vista no beach club P12, em Jurerê Internacional, região nobre de Florianópolis.

O corpo foi encontrado a 90 km da capital, descoberto pela polícia após a prisão dos suspeitos. Um deles indicou o local onde a jovem foi enterrada, segundo o delegado Bruno Fernandes, da Delegacia de Investigação Criminal.

VIU ESSA? Terceira dose contra a covid pode ter efeitos colaterais. Saiba quais são

Amanda Albach morava em Fazenda do Rio Grande, cidade próxima de Curitiba (PR), e foi passar o feriado de 15 de novembro com um casal de amigos em Imbituba.

Lá, um homem que também mora com o casal na cidade litorânea se juntou ao grupo. No domingo (14), todos foram a uma balada na capital, onde a jovem foi vista pela última vez.

De acordo com o advogado da família, Michael Rodrigues Pinheiro, o trio é natural de Canoas. No depoimento à polícia, os suspeitos apresentaram contradições.

Mensagem antes de morrer

A família contou que Amanda mandou uma mensagem de áudio pelo WhatsApp para uma sobrinha, na noite de 15 de novembro, dizendo que iria pegar um carro por aplicativo para retornar para a casa, no Paraná.

O delegado Bruno Fernandes contou, em coletiva de imprensa, que a jovem foi obrigada a gravar a mensagem para despistar os familiares.

Web Stories

Estreias da semana

Final de La Casa de Papel chega nesta sexta na Netflix, confira lista!

Você sabia?

Conheça 7 curiosidades sobre o Oil Man

Cuidado

O Cravo e a Rosa volta dia 06 de dezembro; conheça curiosidades sobre a novela

Malhação Sonhos

Duca afirma a Gael que Cobra lutou de verdade