As mãos e pés amarrados, venda e mordaça, hematomas e cortes feitos à faca pelo corpo denunciavam a tortura pela qual um rapaz, de pouco mais de 20 anos, passou antes de ser morto.

O corpo dele foi encontrado no final da tarde de ontem, numa clareira à beira da Estrada da Campininha, na localidade de mesmo nome, em Piraquara. O jovem não tinha qualquer documento que o identificasse.

Luiz Roberto Stocco, 33 anos, que mora há 250 metros da clareira, contou que trabalhava em casa quando ouviu cerca de quatro ou cinco disparos, por volta das 15h30.

Desconfiou que poderia ser um crime, pois, segundo contou, nos últimos 18 meses, aquele seria o sexto cadáver encontrado por ali. Porém, não foi verificar e continuou trabalhando no parto de um vaca. Pouco antes das 17h, um rapaz encontrou o corpo, quando foi urinar no mato.

Futebol

Além de vários hematomas e cortes pelos braços, o rapaz tinha fraturas na cabeça e uma forte pancada na testa. Ele estava com os olhos vendados por um meião de futebol.

Tinha um chumaço de meias brancas na boca e estava amordaçado com uma camiseta de time de futebol. Nas costas, havia uma marca de tiro, possivelmente dado antes de a vítima ser levada à clareira.

Os assassinos amarraram as mãos do rapaz com fios de luz e ainda as prenderam no passador de cinto traseiro da calça. Os pés foram atados por cadarços e o jovem, já descalço, levou golpes de faca nos pés. Possivelmente para não sujar de sangue o veículo em que transportaram a vítima, os bandidos enrolaram os pés do rapaz com um saco de lixo.

Desova

O perito Victório Librelon, do Instituto de Criminalística, apurou que o jovem foi levado morto à clareira. Os marginais ainda deram dois tiros de misericórdia na cabeça da vítima.

Librelon acreditava que, pela crueldade, o rapaz foi morto por algum “especialista” em torturar e matar. O assassino conhecia muito bem a região, e que sabia que depois de um pequeno carreiro que começava na estrada, havia a clareira.

Os investigadores Hélio e Marçal, de Piraquara, supõem alguma vingança, e que a tortura tenha sido praticada para que o rapaz contasse algo. O jovem, moreno claro e magro, tinha cabelos pretos, lisos e bem curtos. Usava uma camiseta vermelha com a marca Adidas e calça jeans com cinto de couro novo, marrom.