A delegacia de Campo Magro tem duas hipóteses para a morte de Ricardo dos Santos, 24 anos, encontrado na manhã desta sexta-feira (19), decapitado em uma chácara, na localidade de Campo Novo, em Campo Magro. Ele pode ter sido assassinado por conta de disputa por terras ou envolvimento com o tráfico, já que os familiares confirmaram à polícia que há algum tempo ele foi dependente químico.

Segundo os investigadores, durante o fim de semana, Ricardo procurou a polícia para registrar queixa de ameaça. Ele contou que, por conta de disputa por uma propriedade rural, teria sido ameaçado de morte. No domingo, ele almoçou com a família e comentou que voltaria à chácara, para pegar objetos pessoais e não foi mais visto.

Cárcere

Na manhã de ontem, os familiares disseram na delegacia suspeitar que ele era mantido em cárcere privado, pois não imaginavam que a briga pudesse acabar em morte. Quando os policiais iam até a chácara, receberam outro chamado, indicando a estrada rural onde um corpo havia sido encontrado.

Em poucos minutos, parentes da vítima chegaram ao local e encontraram o corpo de Ricardo, com um corte nas costas, supostamente feito com machado. As vísceras estavam à mostra e a cabeça, não foi localizada. Perto do corpo, foi recolhida uma mala cor de rosa.

De acordo com a tenente Fernanda Pegorini, do 22.º Batalhão da Polícia Militar, provavelmente o crime aconteceu durante a madrugada e não foi descartada a possibilidade de ele ter ficado em cárcere privado desde domingo. “Os familiares disseram que há algum tempo ele largou as drogas”, contou a tenente.

Trote

O corpo estava a aproximadamente cinco quilômetros da Estrada do Cerne. Enquanto preservavam o local de morte, os policiais militares receberam a informação que, em um pesque-pague da região, havia dois corpos. Curiosos cogitaram a possibilidade dos casos estarem relacionados, porém, quando a polícia chegou no local indicado, descobriu que as “vítimas” eram bonecos de pano.