O feriado do Dia do Trabalho, em 1º de maio, há duas semanas, pode ter feito muitos curitibanos quebrarem o isolamento social. Como reflexo, a Secretaria Municipal de Saúde (SMC) registrou um acréscimo no número de casos do coronavírus na cidade.

Com média diária de aproximadamente 15 casos novos, as últimas quinta e sexta-feira (14 e 15) apresentaram números bem acima da média: 31 e 24 novos contaminados respectivamente. O coronavírus se manifesta, em média, 14 dias após a contaminação, com os sintomas de febre, tosse e dor no corpo.

LEIA TAMBÉMSeca aperta e Sanepar inclui mais bairros de Curitiba e cidades no rodízio de água. Veja lista

Na live do boletim do coronavírus na última sexta-feira, a secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak, também mostrou preocupação com o afrouxamento no isolamento da população no Dia das Mães, quando muitas pessoas saíram para comprar presentes e que na próxima segunda-feira (24) completa 14 dias.

“As pessoas têm tendência de ir para o comércio, sair. Só saia se você realmente precisar. Não é o momento de fazer churrasco, confraternização, aniversário. O momento é de cada um ficar na sua casa, especialmente os grupos de risco que a gente vem falando”, alerta a secretária. No grupo de risco estão idosos, pessoas com doenças como diabetes e pressão alta, obesos, pessoas em tratamento médico, entre outros.

De acordo com a SMS, 841 pessoas foram infectadas pelo coronavírus até o boletim mais recente, de sábado (16), com 33 mortes. A boa notícia é que deste total, 613 pessoas estão recuperadas da infecção.

Perfil de quem contraiu a doença

Em Curitiba, a maioria dos casos de covid-19 é de pessoas entre 20 e 59 anos. Entre as vítimas fatais, 82% tinham mais de 80 anos e apresentavam pelo menos um fator de risco ou comorbidade.

VIU ESSA? – Segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 é liberada nesta segunda-feira

Mas apesar da maioria das pessoas que morrem em decorrência do coronavírus ser de idosos, Curitiba registrou ultimamente casos que fogem da estatística. Na última quinta-feira (14), um menino de apenas 5 anos morreu em consequência da doença. Ele estava internado no Hospital Pequeno Príncipe desde o dia 22 de abril. 

Sexta-feira (15), a Secretaria Municipal de Saúde registrou a primeira morte de uma pessoa abaixo de 60 anos e sem doença crônica. A vítima fatal, um homem de 52 anos, estava internado há uma semana.